Orgão Oficial

CBC - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões - Journal of the Brazilian College of Surgeons

Capa

Ano 2016 - Volume 43 Número 2
Março / Abril

Editorial

Artigo Original

2 - Expressão KI-67 e P16INK4a em carcinomas espinocelulares periorais quimicamente induzidos em camundongos

Expression of Ki-67 and P16INK4a in chemically-induced perioral squamous cell carcinomas in mice

Ângela Valéria Farias Alves; Danielle Rodrigues Ribeiro; Sonia Oliveira Lima; Francisco Prado Reis; Andréa Ferreira Soares; Margarete Zanardo Gomes; Ricardo Luiz Cavalcanti de Albuquerque Júnior

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(2):72-79

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: avaliar a influência da expressão imuno-histoquímica das proteínas Ki-67 e p16INK4a sobre parâmetros clínico-morfológicos em carcinomas espinocelulares periorais quimicamente induzidos com 9,10-dimetil-1,2-benzantraceno (DMBA) em modelo murino.
MÉTODOS: as lesões foram induzidas topicamente na comissura labial de dez camundongos Swiss durante 20 semanas, sendo determinado o momento de surgimento dos tumores e volume tumoral médio até 26 semanas. Na análise histopatológica, as variáveis estudadas foram gradação histológica de malignidade tumoral e expressão imuno-histoquímica das proteínas Ki-67 e p16INK4a. A correlação entre as variáveis estudadas foi determinada pela aplicação do teste de correlação de Spearman.
RESULTADOS: o tempo médio de surgimento das lesões periorais foi 21,1±2,13 semanas. Volume tumoral médio foi de 555,91±205,52mm3. Dos tumores produzidos, 80% foram classificados como de baixo escore e 20%, alto escore. Evidenciou-se positividade difusa para Ki-67 em 100% das lesões - índice de marcação (PI) de 50,1±18,0. Verificou-se correlação direta forte entre a imunoexpressão do Ki-67 e o volume tumoral (R=0,702) e fraca correlação com o escore de malignidade (R=0,486). A expressão da proteína p16INK4a foi heterogênea, mostrando fraca correlação com o volume tumoral (R=0,334). Não houve correlação entre a expressão imuno-histoquímica das duas proteínas estudadas.
CONCLUSÃO: Em modelo experimental de carcinogênese perioral DMBA-induzida, a progressão tumoral está associada à fração proliferativa do tumor (células ki-67 positivas) e com a gradação histológica tumoral, porém não com a expressão da p16INK4a.


Palavras-chave: Carcinogênese. 9,10-Dimetil-1,2-benzantraceno. Imuno-Histoquímica. Antígeno Ki-67. Genes p16.

3 - Carcinogênese de bexiga em ratas submetidas à ureterossigmoidostomia tratadas com L-lisina

Bladder carcinogenesis in rats subjected to ureterosigmoidostomy and treated with L-lysine

Conceição Aparecida Dornelas; Alessandra Marques dos Santos; Antonio Lucas Oliveira Correia; Camila de Carvalho Juanes; João Paulo Ferreira Coelho; Bianca Lopes Cunha; André Vinicius Vieira Maciel; Francisco Vagnaldo Fechine Jamacaru

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(2):80-86

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: o objetivo deste trabalho é avaliar o efeito da L-lisina nos epitélios vesical e intestinal de ratas submetidas à vesicossigmoidostomia.
MÉTODOS: quarenta ratas Wistar, foram divididas em quatro grupos: grupo I- grupo controle (Sham); grupo II- submetido à vesicossigmoidostomia e tratado com L-lisina 150mg/kg; grupo III- submetido apenas à vesicossigmoidostomia; e grupo IV- recebeu L-lisina 150mg/kg. Após oito semanas os animais foram sacrificados.
RESULTADOS: na bexiga de todos os animais operados observou-se hiperplasia simples, papilar e nodular de células transicionais, papiloma de células transicionais e metaplasia escamosa. Quanto à ocorrência de focos de criptas aberrantes nos colos dos animais operados, não foi evidenciado diferença estatística significante em nenhum dos fragmentos distal, proximal e médio, e todos juntos (P=1,0000).
CONCLUSÃO: apesar de, estatisticamente, não ter havido promoção de carcinogênese nos epitélios dos ratos tratados com L-lisina, no tempo observado, é nítida a histogênese da carcinogênese de bexiga em sua fase inicial, no epitélio vesical, em todos os ratos operados, estando esta provavelmente associada à infecção crônica e aos diminutos cálculos vesicais.


Palavras-chave: Lisina. Carcinogênese. Neoplasias da Bexiga Urinária. Epitélio. Terapêutica.

4 - A influência da nicotina na cicatrização de anastomoses do intestino delgado em ratos: angiogênese e miofibroblastos

The influence of nicotine in healing of small bowel anastomoses in rats: angiogenesis and miofibroblasts

James Skinovsky, TCBC-PR; Osvaldo Malafaia, ECBC-PR; Mauricio Chibata; Fernanda Tsumanuma; Flávio Panegalli Filho; Marcus Vinícius Dantas de Campos Martins,TCBC-RJ

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(2):87-92

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: conhecer o efeito da nicotina sobre a angiogênese e formação de miofibroblastos em anastomoses do intestino delgado de ratos.
MÉTODOS: sessenta ratos Wistar foram divididos de maneira aleatória em grupos Nicotina(N) e Controle (C), conforme o tratamento proposto. Cada grupo foi subdividido em três subgrupos, de acordo com o intervalo de tempo utilizado para a avaliação (7, 14 ou 28 dias). O grupo N, com 30 animais, recebeu nicotina por via subcutânea, na dose de 2mg/Kg de peso, diluída em 0,3ml de solução salina a 0,9%, em duas aplicações diárias, durante 28 dias prévios à operação e por mais 7, 14 ou 28 dias, conforme o subgrupo. O grupo C (igualmente com 30 animais) recebeu somente a solução salina nas mesmas condições e intervalos de tempo. Após 28 dias efetuou-se, em cada rato, anastomose término-terminal a 10cm da flexura duodenojejunal. Após 7, 14 ou 28 dias da cirurgia, os dez animais de cada subgrupo foram eutanasiados, sendo que as áreas anastomosadas, 1cm proximal a 1cm distal, foram encaminhadas para contagem de vasos sanguíneos e miofibroblastos, através de coloração imuno-histoquímica por aplicação dos anticorpos monoclonais antifator VIII e anti-alfa-actina muscular lisa.
RESULTADOS: a administração de nicotina levou à diminuição do número de vasos sanguíneos aferidos no 28º dia pós-operatório e do número de miofibroblastos aferidos no sétimo dia após a realização das anastomoses.
CONCLUSÃO: a administração de nicotina foi deletéria sobre a angiogênese e formação de miofibroblastos em anastomoses do intestino delgado de ratos.


Palavras-chave: Cicatrização. Nicotina. Intestino Delgado. Anastomose Cirúrgica. Ratos.

5 - Ressecções pélvicas alargadas no tratamento do câncer colorretal e de canal anal localmente avançado ou recidivado: análise dos aspectos técnicos e fatores de morbimortalidade em 24 casos consecutivos

Extended pelvic resections for the treatment of locally advanced and recurrent anal canal and colorectal cancer: technical aspects and morbimortality predictors aftet 24 consecutive cases

José Wilson Benevides de Mesquita Neto; Davy Bruno Machado; Dárcio Jânio Macedo; Diego Fonseca Cordeiro; Eurivaldo Valente de Brito; Marcelo Leite Vieira Costa

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(2):93-101

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVOS: avaliar o perfil de morbimortalidade e seus fatores preditivos relacionados às ressecções pélvicas extensas, incluindo a exenteração pélvica, com o intuito de otimizar a seleção dos pacientes e obtenção de melhores resultados cirúrgicos.
MÉTODOS: foram realizadas 24 grandes ressecções pélvicas por neoplasia maligna anorretal de 2008 a 2015 no Instituto do Câncer do Ceará. Os fatores analisados incluíram idade, perda de peso, órgão ressecados, exenteração total versus posterior, invasão angiolinfática e perineural, metástase linfonodal e sobrevida global e livre de doença.
RESULTADOS: a mediana de idade foi 57 anos e o tempo médio de seguimento foi dez meses. A morbidade global foi 45,8%, com cinco (20,8%) complicações graves. Não houve óbito nos primeiros 30 dias de pós-operatório. A sobrevida global média foi 39,5 meses e a sobrevida livre de doença foi 30,7 meses. A ressecção concomitante da bexiga foi fator prognóstico isolado com maior risco para complicações (87,5% vs. 26,7%, p=0.009). Invasão angiolinfática e metástase linfonodal não alcançaram significância com relação à sobrevida livre de doença.
CONCLUSÃO: o tratamento dos tumores anorretais avançados é desafiador, necessitando frequentemente de ressecções combinadas, como a cistectomia e sacrectomia, além de reconstruções complexas. A magnitude da cirurgia ainda carrega uma elevada taxa de morbidade, porém é um procedimento considerado seguro e factível, com uma baixa mortalidade e adequado controle locorregional tumoral quando realizado em centros de referência.


Palavras-chave: Neoplasias. Neoplasias Retais. Recidiva. Canal Anal. Exenteração Pélvica.

6 - Impacto da terapia neoadjuvante na diminuição do estádio no adenocarcinoma de reto baixo: papel da ressonância magnética da pelve na determinação do estádio

Impact of neoadjuvant therapy in downstaging of lower rectal adenocarcinoma and the role of pelvic magnetic resonance in staging

Karina Dagre Magri; Fang Chia Bin, TCBC-SP; Fernanda Bellotti Formiga; Thiago da Silveira Manzione, ACBC-SP; Caroline Merci Caliari de Neves Gomes; Paulo de Azeredo Passos Candelári,TCBC-SP; Jorge Alberto Ortiz,TCBC-SP; Wilmar Artur Klug; José Mandia Neto; Peretz Capelhuchnik, TCBC-SP1

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(2):102-109

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: avaliar o efeito da terapia neoadjuvante, nos pacientes portadores de adenocarcinoma de reto, sobre o estádio (TNM) e validar o emprego da ressonância magnética como método de determinação do estádio locorregional.
MÉTODOS: estudo retrospectivo de 157 pacientes com diagnóstico de adenocarcinoma de reto baixo, que foram divididos em dois grupos: Grupo 1, 81 pacientes (52%), submetidos ao tratamento cirúrgico de princípio, cuja finalidade foi analisar a acurácia da determinação do estádio locorregional pela ressonância magnética da pelve, através da comparação entre os achados radiológicos e os achados anatomopatológicos; Grupo 2, 76 pacientes (48%), encaminhados à terapia neoadjuvante (quimioterapia e radioterapia), antes do tratamento cirúrgico definitivo, com o intuito de avaliar seus efeitos sobre o estádio, através da comparação dos achados clínico-radiológicos com os anatomopatológicos.
RESULTADOS: no grupo 1, a acurácia da determinação da profundidade da lesão (T) e do comprometimento linfonodal (N), foram de 91,4% e 82,7%, respectivamente. No grupo 2, a terapia neoadjuvante diminuiu o estádio T, estádio N e o estádio TNM em 51,3%, 21% e 48,4% dos casos, respectivamente.
CONCLUSÃO: a terapia neoadjuvante nos pacientes com adenocarcinoma de reto é efetiva na diminuição do estádio e a ressonância magnética da pelve é eficaz na determinação do estádio locorregional.


Palavras-chave: Adenocarcinoma. Neoplasias Retais. Terapia Neoadjuvante. Imagem por Ressonância Magnética. Estadiamento de Neoplasias.

7 - O adesivo biológico de colágeno, fibrinogênio e trombina é eficaz no tratamento de lesões hepáticas experimentais

The collagen, fibrinogen and thrombin biological adhesive is effective in treating experimental liver injuries

Frederico Michelino de Oliveira; Marcus Vinícius H. de Carvalho; Evaldo Marchi; Clóvis Antônio Lopes Pinto

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(2):110-116

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: avaliar a eficácia de um adesivo a base de colágeno associado ao fibrinogênio e trombina, no trauma hepático experimental em ratos.
MÉTODOS: toram incluídos no estudo 30 ratos Wistar, igualmente divididos aleatoriamente em três grupos: A, B e C. Todos foram submetidos à lesão traumática hepática padronizada. No grupo A, a lesão foi tratada com o adesivo, no grupo B, com sutura convencional com fio absorvível, e no grupo C, não houve tratamento da lesão. Foram analisados o tempo de hemostasia, mortalidade, ocorrência de aderências e eventuais alterações histológicas.
RESULTADOS: os resultados mostraram que não houve diferença estatística em relação à mortalidade (p=0,5820). O grupo tratado com adesivo apresentou os menores tempos de hemostasia (p=0,0573 e odds ratio 13,5) e menor ocorrência de aderências (p=0,0119). Microscopicamente as alterações histológicas dos grupos A e B foram semelhantes, com a formação de granuloma de corpo estranho separando o material do adesivo e do fio de sutura do estroma hepático.
CONCLUSÃO: o adesivo de colágeno associado ao fibrinogênio e trombina foi eficaz no tratamento do trauma hepático experimental, proporcionado menor ocorrência de aderências entre o fígado e as estruturas vizinhas.


Palavras-chave: Ferimentos e Lesões. Fígado. Hemostáticos. Trombina. Adesivos Teciduais.

8 - Perfil epidemiológico, incidência e desfecho dos pacientes com fístula abdominal pós-operatória

Epidemiology and outcome of patients with postoperative abdominal fistula

Janaina Wercka; Patricia Paola Cagol; André Luiz Parizi Melo; Giovani de Figueiredo Locks; Orli Franzon, TCBC-SC; Nicolau Fernandes Kruel, ECBC-SC

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(2):117-123

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: apresentar o perfil epidemiológico, incidência e desfecho em pacientes que evoluíram com fístula abdominal pós-operatória.
MÉTODOS: trata-se de um estudo prospectivo transversal observacional que avaliou pacientes submetidos à cirurgia abdominal. Foram estudados o perfil epidemiológico, a incidência das fístulas pós-operatórias e suas características, desfecho desta complicaçãoe fatores preditivos de mortalidade.
RESULTADOS: a amostra constou de 1148 pacientes. A incidência de fístula foi 5,5%. Houve predominância de fístulas biliares (26%), seguidas de fístulas colônicas (22%) e gástricas (15%). O tempo médio para o surgimento da fístula foi 6,3 dias. Para o fechamento, a média foi 25,6 dias. A taxa de mortalidade dos pacientes com fístula foi 25,4%. Os fatores preditivos de mortalidade nos casos que desenvolveram fístula foram idade maior do que 60 anos, presença de comorbidades, tempo de fechamento da fístula superior a 19 dias, não fechamento espontâneo da fístula, desnutrição, sepse e necessidade de admissão em Unidade de Terapia Intensiva.
CONCLUSÃO: as fístulas pós-operatórias abdominais ainda são relativamente frequentes e associadas à morbidade e mortalidade significativas.


Palavras-chave: Epidemiologia. Incidência. Fístula. Fístula do Sistema Digestório. Complicações Pós-Operatórias.

9 - Análise, mediante cromatografia/espectrometria de massas, da fumaça gerada por eletrocautério

Analysis of electrocautery generated smoke by chromatographic-mass spectrometry

Jefferson Kalil; Francisco B. T. Pessine; Carlos H. V. Fidelis; Fabio H. Menezes; Paulo Cesar Rodrigues Palma, TCBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(2):124-128

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: analisar quimicamente os componentes da fumaça do eletrocautério, provenientes da coagulação de tecidos, muscular e hepático de suino.
MÉTODOS: coleta de fumaça produzida por eletrocauterização de tecido porcino em frascos previamente evacuados com análise qualitativa e quantitativa dos compostos presentes, através de técnica hifenada, cromatografia a gás/espectrometria de massas.
RESULTADOS: houve presença majoritária do aldeído decanal nas fumaças provenientes dos tecidos subcutâneo, muscular e hepático. Fumaças dos tecidos subcutâneo e muscular mostraram também a presença de hexanal e fenol. Nas fumaças dos tecidos subcutâneo e hepático foram encontrados ainda tolueno e limoneno e, por fim, nonanal estava presente nas fumaças dos tecidos muscular e hepático.
CONCLUSÃO: há número crescente de evidências mostrando que fumaça proveniente de eletrocauterização de tecidos subcutâneo, muscular e hepático é nociva à saúde de seres humanos. Portanto, há necessidade de reduzir a exposição a ela ou usar máscara com filtro capaz de reter essas partículas.


Palavras-chave: Fumaça. Tecido Subcutâneo. Espectrometria de Massas. Cromatografia Gasosa. Aldeídos.

10 - Avaliação preliminar do procedimento videolaparoscópico híbrido para ressecção de tumores gástricos submucosos

Preliminary analysis of hybrid laparoscopic procedure for resection of gastric submucosal tumors

Pedro Henrique Lambach Caron; Mariana Ismael Dias Martins; Pedro Luiz Bertevello

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(2):129-135

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: avaliar a viabilidade, segurança e vantagens da cirurgia minimamente invasiva para ressecção de tumores submucosos gástricos (TUSG).
MÉTODOS: estudo retrospectivo dos prontuários de pacientes submetidos à ressecção videolaparoscópica assistida por endoscopia digestiva alta para tumores submucosos gástricos (coletados prospectivamente) de 2011 a 2014. Os fatores avaliados foram dados clínicos, abordagem cirúrgica, características clinicopatológicas dos TUSG (tamanho, localização, exame anatomopatológico e imuno-histoquímico), resultados e acompanhamento dos pacientes.
RESULTADOS: foram avaliados seis pacientes, 50% do sexo masculino, com média de idade 52±18 anos e sintomas comuns de pirose e plenitude gástrica. Todos os pacientes foram submetidos ao procedimento híbrido e sem comprometimento anatômico do órgão. O tempo médio de internação foi 3,5 dias e o tamanho médio dos tumores foi 2,0±0,8cm, cinco deles (83%) no terço proximal do estômago. Os exames anatomopatológicos e imuno-histoquímicos das peças cirúrgicas demonstraram um caso de pâncreas ectópico (17%), um tumor neuroendócrino grau 2 (17%), um lipoma (17%), um GIST (17%) e dois leiomiomas (32%). Não houve episódios de ruptura do tumor nem complicações intraoperatórias e nenhuma conversão para cirurgia aberta. Durante o período de acompanhamento pós-operatório nenhum dos pacientes apresentou recidiva, metástase, fístula ou estenose.
CONCLUSÃO: os resultados obtidos mostraram que a ressecção laparoscópica assistida por endoscopia é viável e segura para pacientes com TUSG. A endoscopia mostrou-se fundamental na localização das lesões e suporte intraoperatório, principalmente na tentativa de preservar a cárdia e o piloro durante a cirurgia.


Palavras-chave: Procedimentos Cirurgicos Operatórios. Cirurgia Videoassistida. Leiomioma.

Nota Técnica

11 - Inclusão do duodeno no trânsito alimentar para prevenção ou correção de deficiências nutricionais resultantes da derivação gástrica em y de Roux no tratamento da obesidade

Duodenum inclusion in alimentary transit for preventing or correcting nutritional deficiencies resulting from Roux-en-y gastric bypass in obesity treatment

Reginaldo Ceneviva, ECBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(2):136-138

Resumo PDF PT PDF EN

Complicações nutricionais e metabólicas podem se desenvolver após a derivação gástrica em Y de Roux (DGYR) quando há uma resposta exagerada às mudanças anatômicas e funcionais ou quando há suplementação nutricional inadequada. A desnutrição grave é rara, mas deficiências de vitamina B12, ferro, cálcio e tiamina, doença óssea metabólica e cálculos biliares são comuns após a DGYR. Dessas deficiências mencionadas, a de vitamina B12, de ferro, de cálcio e também a colelitíase, são causadas, ao menos parcialmente, pela exclusão do duodeno e jejuno proximal. Um novo procedimento com a manutenção do duodeno e do jejuno proximal no trânsito gastrointestinal, mediante interposição de alça jejunal, foi idealizado como operação primária para prevenir essas deficiências ou como cirurgia corretiva de desnutrição grave após DGYR com falha na resposta a exaustivas tentativas de tratamento conservador.


Palavras-chave: Obesidade Mórbida. Derivação Gástrica. Anastomose em-Y de Roux. Desnutrição. Cirurgia de Revisão.

Indexada em:

Copyright 2017 - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões