Orgão Oficial

CBC - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões - Journal of the Brazilian College of Surgeons

Artigos do Autor

6 resultado(s) para: Edivaldo Massazo Utiyama

Abdômen aberto: experiência em uma única instituição

Open abdomen management: single institution experience

Adilson Costa Rodrigues Junior; Fernando da Costa Ferreira Novo; Rafael de Castro Santana Arouca; Francisco de Salles Collet e Silva, TCBC-SP; Edna Frasson de Souza Montero,TCBC-SP; Edivaldo Massazo Utiyama, TCBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2015;42(2):93-96 : Artigo Original

Resumo

OBJETIVO: avaliar o resultado da integridade da parede abdominal após utilização do fechamento assistido a vácuo e da bolsa de Bogotá.
MÉTODOS: um estudo retrospectivo foi realizado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), identificando os pacientes submetidos à técnica de fechamento abdominal temporário (FAT) entre janeiro de 2005 e dezembro de 2011. Os dados foram coletados por meio de revisão de prontuários. Os critérios de inclusão foram indicação de FAT e sobrevivência até o fechamento definitivo da parede abdominal. No período pós-operatório, apenas um grupo de três cirurgiões, seguiu todos os pacientes e realizou as reoperações. Além disso, independente da técnica de FAT utilizada, foi aplicada a tática de fechamento fascial progressivo durante as reoperações.
RESULTADOS: Vinte e oito pacientes foram incluídos. Não houve diferença estatística nas taxas de fechamento primário e tempo médio de fechamento fascial.
CONCLUSÃO: O fechamento assistido a vácuo e a bolsa de Bogotá não diferem significativamente em relação ao resultado da integridade da parede abdominal após as reoperações. Isso se deve ao acompanhamento de uma equipe específica e a adoção de técnica de fechamento fascial progressivo.


Palavras-chave: Peritonite. Trauma. Sepse. Tratamento de Ferimentos com Pressão Negativa. Técnicas de Fechamento de Ferimentos Abdominais. Síndrome Compartimental Abdominal.

Retenção inadvertida de corpos estranhos após intervenções cirúrgicas. Análise de 4547 casos

Unintentionally retained foreign bodies after surgical procedures. Analysis of 4547 cases

Dário Vianna Birolini; Samir Rasslan; Edivaldo Massazo Utiyama

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(1):12-17 : Artigo Original

Resumo

OBJETIVO: avaliar a experiência de cirurgiões brasileiros com a retenção inadvertida de corpos estranhos (RICE) após procedimentos cirúrgicos.
MÉTODOS: foi enviado por correio eletrônico um questionário para cirurgiões, de março a julho de 2012. As questões avaliavam a sua experiência com RICE, os tipos de corpos estranhos, suas manifestações clínicas, diagnósticos, fatores de risco e implicações jurídicas.
RESULTADOS: 2872 questionários foram analisados. Destes, 43% dos cirurgiões já teriam deixado algum corpo estranho (CE) e 73% removido um CE em uma ou mais ocasiões. De um total de 4547 CE, 90% eram têxteis, 78% foram descobertos dentro do primeiro ano, e 14% assintomáticos. No grupo dos médicos graduados há menos de cinco anos, 36% já havia deixado um CE. Os procedimentos operatórios mais relacionados eram eletivos (54%) e rotineiros (85%). Emergência (26%), ausência de contagem (25%) e condições inadequadas de trabalho também contribuíram com a ocorrência (12,5%). Em 46% dos casos os pacientes tomaram ciência da retenção e 26% deles processaram os médicos ou as instituições.
CONCLUSÃO: situações médicas desafiadoras, omissão de protocolos de segurança e condições inadequadas de trabalho contribuíram com a RICE. Entretanto, as RICE ocorreram principalmente em operações de rotina, como cesarianas e colecistectomias, principalmente no início da carreira profissional, ressaltando, principalmente em países mais pobres, a necessidade de prevenção primária. Os têxteis predominaram, acarretando repercussões clínicas e sendo diagnosticados nos primeiros meses de pós-operatório. Os médicos foram processados em 11,3% dos casos de RICE.


Palavras-chave: Corpos Estranhos. Complicações Pós-Operatórias. Instrumentos Cirúrgicos.

Fechamento abdominal temporário com dispositivo tela-zíper para tratamento da sepse intra-abdominal

Temporary abdominal closure with zipper-mesh device for management of intra-abdominal sepsis

Edivaldo Massazo Utiyama; Adriano Ribeiro Meyer Pflug; Sérgio Henrique Bastos Damous; Adilson Costa Rodrigues-Jr; Edna Frasson de Souza Montero; Claudio Augusto Vianna Birolini

Rev. Col. Bras. Cir. 2015;42(1):18-24 : Artigo Original

Resumo

OBJETIVO: apresentar nossa experiência com reoperações agendadas em 15 pacientes com sepse intra-abdominal.
MÉTODOS: foi empregada uma técnica mais eficaz que consiste em fechamento abdominal temporário com uma folha de malha de nylon contendo um zíper. Realizamos as reoperações no centro cirúrgico, sob anestesia geral, com um intervalo médio de 84 horas. A revisão consistiu de desbridamento de material necrosado e lavagem vigorosa da área peritoneal envolvida. A média de idade dos pacientes foi 38,7 anos; 11 pacientes eram do sexo masculino e quatro do sexo feminino.
RESULTADOS: Quarenta por cento das infecções foram devido à pancreatite necrosante. Sessenta por cento foram ocasionadas por perfuração intestinal secundária à inflamação, oclusão vascular ou trauma. Foram realizadas 48 reoperações, média de 3,2 operações por paciente. O dispositivo tela-zíper foi deixado no local por uma média de 13 dias. Um estoma intestinal estava presente ao lado do zíper em quatro pacientes e não ocasionou complicação para o paciente. A mortalidade foi 26,6%. Nenhuma fístula resultou dessa técnica. Quando a doença intra-abdominal estava sob controle, o dispositivo de fecho do tipo de rede foi removido, e a fáscia foi fechada em todos os pacientes. Em três pacientes, a ferida foi fechada primariamente, em 12 permitiu-se fechar por intenção secundária. Dois pacientes desenvolveram hérnia: uma incisional e outra na incisão de drenagem.
CONCLUSÃO: A nova operação prevista para lavagem manual e desbridamento do abdômen através de uma combinação de tela-zíper em nylon foi rápida, simples e bem tolerada, permitindo uma gestão eficaz da peritonite séptica grave, fácil tratamento das feridas e fechamento primário da parede abdominal.


Palavras-chave: Abscesso Intra-Abdominal. Parede Abdominal/cirurgia. Peritonite. Sepse/complicações.

Necrose pancreática com infecção: estado atual do tratamento

Management of infected pancreatic necrosis: state of the art

Roberto Rasslan, TCBC-SP; Fernando da Costa Ferreira Novo; Alberto Bitran, TCBC-SP; Edivaldo Massazo Utiyama, TCBC-SP; Samir Rasslan, TCBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(5):521-529 : Artigo de Revisão

Resumo

A necrose pancreática ocorre em 15% das pancreatites agudas. A presença de infecção é o fator mais importante na evolução da pancreatite. Confirmar o diagnóstico de infecção ainda é um desafio. A mortalidade na necrose infectada é de 30% e na vigência de disfunção orgânica, chega a 70%. Nas últimas décadas, ocorreu uma verdadeira revolução no tratamento da necrose pancreática infectada. Mesmo assim, persiste o desafio e há múltiplas questões ainda não resolvidas: tratamento exclusivo com antibiótico, drenagem percutânea guiada por tomografia, drenagem por via endoscópica, desbridamento extra-peritoneal vídeo-assistido, acesso extra-peritoneal, necrosectomia por via aberta? Foi proposto o tratamento por etapas, “step up approach”, iniciando-se com as medidas menos invasivas e reservando-se a intervenção operatória para os casos em que o procedimento anterior não resolver definitivamente o problema. A indicação e o momento da intervenção devem ser determinados pela evolução clínica. O ideal é que a intervenção seja feita apenas depois da quarta semana de evolução, quando já existe melhor delimitação da necrose. O tratamento deve ser individualizado. Não existe um procedimento que deva ser o primeiro e a melhor opção para todos os doentes. O objetivo deste trabalho é fazer uma análise crítica do estado atual do tratamento da necrose pancreática infectada.


Palavras-chave: Pancreatite. Pancreatite Necrosante Aguda. Infecção. Drenagem.

Perfil do residente de Cirurgia Geral: quais as mudanças no Século XXI?

Profile of the General Surgery resident: what are the changes in the 21st Century

Samir Rasslan, TCBC-SP; Mariana Sousa Arakaki; Roberto Rasslan, TCBC-SP; Edivaldo Massazo Utiyama, TCBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(2):1-7 : Artigo Original

Resumo

OBJETIVO: verificar o perfil dos residentes de Cirurgia Geral do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).
MÉTODOS: foram avaliados os residentes aprovados no concurso do Programa de Residência Médica em Cirurgia Geral do HC-FMUSP nos anos de 2014, 2015 e 2016. O estudo foi realizado por meio de coleta de dados de questionário e informações obtidas da Comissão de Residência Médica da Instituição. Foram analisados: dados da identificação, origem do candidato, escola da graduação, ensino cirúrgico recebido, razão da escolha pela Cirurgia, expectativas na residência, escolha da especialidade futura e pretensões ao término da residência médica. Também foi analisado o resultado do exame de acesso às especialidades.
RESULTADOS: a média de idade foi de 25,8 anos, sendo 74,3% do sexo masculino. A maioria (84,4%) cursou a graduação em escolas públicas, sendo 68% no Sudeste; 85,2% dos residentes foram aprovados no primeiro concurso. A escolha da especialidade estava definida em 75,9% no início da residência, porém 49,5% mudaram ao longo do treinamento. Cirurgia Plástica, Urologia e Cirurgia do Aparelho Digestivo foram escolhidas por 61,5%. Consideraram adequadas as 60 horas semanais 83,3%. Eram favoráveis ao acesso direto à especialidade 27,3%. Ao término da especialidade, 53,3% pretendiam continuar em São Paulo e 26,2% retornar ao Estado de origem. A pósgraduação stricto sensu era pretendida por 68,3%.
CONCLUSÃO: o perfil atual do residente revela redução na procura pela Cirurgia Geral, definição mais precoce da especialidade, opções por áreas cada vez mais específicas e uma atividade que ofereça melhor qualidade de vida.


Palavras-chave: Internato e Residência. Educação Médica. Especialidades cirúrgicas. Escolha da Profissão.

Como reduzir complicações relacionadas à drenagem pleural utilizando uma técnica guiada por ultrassom

How to reduce pleural drainage complications using an ultrasound-guided technique

Carlos Augusto Metidieri Menegozzo, TCBC-SP; Adriano Ribeiro Meyer-Pflug, TCBC-SP; Edivaldo Massazo Utiyama, TCBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-2 : Carta ao Editor


Copyright 2018 - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões