Orgão Oficial

CBC - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões - Journal of the Brazilian College of Surgeons

Artigos do Autor

3 resultado(s) para: Marcelo Augusto Fontenelle Ribeiro Júnior

Fatores de risco associados às complicações de apendicite aguda

Risk factors associated with complications of acute appendicitis

Ana Paula Marconi Iamarino; Yara Juliano; Otto Mauro Rosa; Neil Ferreira Novo; Murillo de Lima Favaro; Marcelo Augusto Fontenelle Ribeiro Júnior

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):560-566 : Artigo Original

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: identificar os principais fatores de risco associados ao desenvolvimento de complicações em pacientes portadores de apendicite aguda.
MÉTODOS: estudo caso controle de dados dos prontuários de 402 pacientes internados com apendicite aguda em um hospital de nível secundário, separados em dois grupos: grupo controle, com 373 pacientes que evoluíram sem complicações pós-operatórias (Grupo 1) e grupo estudo, com 29 pacientes que apresentaram complicações (Grupo 2). Foram avaliados dados demográficos, sinais e sintomas da doença, exames de imagem e dados da internação.
RESULTADOS: os fatores associados às complicações foram febre, alterações radiológicas e ultrassonográficas, descompressão brusca positiva e diarreia. Migração da dor, náuseas, vômitos e descompressão brusca positiva foram os achados significativamente mais frequentes nos dois grupos (p=0,05). Já a duração dos sinais e sintomas, em dias, no grupo 2 foi significativamente maior que no grupo 1, com mediana de três dias para o grupo com complicações (p=0,05).
CONCLUSÃO: alterações nos exames de imagem, febre, diarreia, descompressão brusca positiva, tempo de duração de sintomas e menor faixa etária estão associados à maior frequência de complicações na apendicite aguda, o que reforça a importância da anamnese, do exame físico e da indicação de exames complementares na abordagem desses pacientes.


Palavras-chave: Apendicite. Apendicectomia. Complicações Intraoperatórias. Diagnóstico.

Oclusão ressuscitativa por meio de balão endovascular da aorta (REBOA): revisão atualizada

Resuscitative endovascular balloon occlusion of the aorta (REBOA): an updated review

Marcelo Augusto Fontenelle Ribeiro Júnior, TCBC-SP; Megan Brenner; Alexander T. M. Nguyen; Célia Y. D. Feng; Raíssa Reis de-Moura; Vinicius C. Rodrigues; Renata L. Prado

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(1):1-9 : Artigo de Revisão

Resumo PDF PT PDF EN

Em um cenário atual onde a lesão traumática e suas consequências representam 9% das causas de morte no mundo, o manejo da hemorragia não compressível do tronco pode ser problemático. Com a melhoria da medicina, a abordagem desses pacientes deve ser precisa e imediata, para que as consequências possam ser mínimas. Portanto, visando o método ideal de manejo, estudos levaram ao desenvolvimento da técnica de oclusão ressuscitativa por balão endovascular da aorta (Resuscitative Endovascular Balloon Occlusion of the Aorta – REBOA). Este procedimento foi utilizado em centros de trauma selecionados como um complemento durante a reanimação para pacientes vítimas de trauma com hemorragia não compressível do tronco. Embora o uso dessa técnica esteja aumentando, sua eficácia ainda não é clara. Este artigo objetiva, por meio de uma revisão detalhada, trazer uma visão atualizada sobre este procedimento, sua técnica, variações, benefícios, limitações e futuro.


Palavras-chave: Radiologia Intervencionista. Traumatismo Múltiplo. Abdome. Choque Hemorrágico.

Copyright 2018 - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões