Orgão Oficial

CBC - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões - Journal of the Brazilian College of Surgeons

Artigos do Autor

2 resultado(s) para: Paulo Roberto Corsi

Esofagectomia com gastroplastia no megaesôfago avançado: análise tardia da importância do uso do omeprazol

Esophagectomy with gastroplasty in advanced megaesophagus: late results of omeprazole use

Celso de Castro Pochini, TCBC-SP; Danilo Gagliardi, TCBC-SP; Roberto Saad Júnior, TCBC-SP; Ruy França de Almeida, TCBC-SP; Paulo Roberto Corsi, TCBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2015;42(5):299-304 : Artigo Original

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: analisar os resultados tardios do tratamento do megaesôfago chagásico avançado através da esofagectomia associada ao IBP (omeprazol), com vistas à incidência de esofagite e esôfago de Barrett do coto esofagiano remanescente.
MÉTODO: foram estudados pacientes com megaesôfago avançado submetidos à esofagectomia e à esofagogastroplastia transmediastinal posterior. Os pacientes foram distribuídos em três grupos: A (20) com substituição esofagiana por meio do estômago total, sem o uso do omeprazol; B (20) com substituição esofagiana por meio do estômago total, sem o uso do omeprazol durante este período; após a primeira endoscopia, realizada no pós-operatório, foi introduzido IBP (omeprazol 40mg/dia) e mantido por seis anos; e C (30) com substituição esofagiana por meio do tubo gástrico com uso do omeprazol. A disfagia, a perda ponderal e o IMC foram os parâmetros clínicos analisados. A endoscopia digestiva alta foi realizada em todos os pacientes. Foi determinada a altura da anastomose, a aparência do aspecto da mucosa, com especial atenção para possíveis lesões oriundas de refluxo gastresofágico, a patência da anastomose esofagogástrica.
RESULTADOS: na primeira endoscopia, a esofagite erosiva esteve presente em nove pacientes (18%) e o esôfago Barrett, em quatro (8%); na última endoscopia, a esofagite erosiva esteve presente em quatro pacientes (8%) e o esôfago de Barrett em um (2%). Comparando-se os grupos B e C, não houve redução da esofagite e do esôfago de Barrett. Porém, comparando-se os grupos A e C, houve redução de complicações do refluxo, como esofagite e o esôfago de Barrett (p<0,005).
CONCLUSÃO: os resultados obtidos permitem concluir que o uso de omeprazol (40mg/dia) reduziu o aparecimento de esofagite erosiva e esôfago de Barrett no decorrer do pós-operatório tardio.


Palavras-chave: Doença de Chagas. Esofagite. Esôfago de Barrett. Esofagectomia. Omeprazol.

Diretriz ACERTO de intervenções nutricionais no perioperatório em cirurgia geral eletiva

ACERTO guidelines of perioperative nutritional interventions in elective general surgery

José Eduardo de-Aguilar-Nascimento; Alberto Bicudo Salomão; Dan Linetzky Waitzberg; Diana Borges Dock-Nascimento; Maria Isabel T. D. Correa; Antonio Carlos L. Campos; Paulo Roberto Corsi; Pedro Eder Portari Filho; Cervantes Caporossi; Comissão de Cuidados Perioperatórios do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral (SBNPE)

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(6):633-648 : Artigo de Revisão

Resumo PDF PT PDF EN

OBJETIVO: apresentar recomendações, baseadas no Projeto ACERTO (Aceleração da Recuperação Total Pós-Operatória) e sustentada por evidências, relativas aos cuidados nutricionais perioperatórios em procedimentos eletivos em Cirurgia Geral.
MÉTODOS: revisão da literatura pertinente entre 2006 e 2016, com base em busca realizada nas principais bases de dados, com o intuito de responder a perguntas norteadoras previamente formuladas por especialistas, dentro de cada temática desta diretriz. Foram selecionados alguns estudos de coorte, mas, preferencialmente, foram utilizados estudos aleatórios controlados, revisões sistemáticas e meta-análises. Cada pergunta norteadora de recomendação foi contextualizada de modo a determinar a qualidade da evidência e a força desta recomendação (GRADE). Este material foi enviado aos autores utilizando um questionário aberto on-line. Após o recebimento das respostas, formalizou-se o consenso para cada recomendação desta diretriz.
RESULTADOS: o nível de evidência e o grau de recomendação para cada item é apresentado em forma de texto, seguido de resumo da evidência encontrada.
CONCLUSÃO: esta diretriz traduz as recomendações do grupo de especialistas do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, da Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral e do Projeto ACERTO para intervenções nutricionais no período perioperatório em Cirurgia Geral eletiva. A prescrição dessas recomendações pode acelerar a recuperação pós-operatória de pacientes submetidos a operações eletivas em cirurgia geral, com diminuição de morbidade, do tempo de internação e de reinternações e, consequentemente, dos custos.


Palavras-chave: Assistência Perioperatória. Terapia Nutricional. Protocolos. Guia de Prática Clínica.

Copyright 2018 - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões