Orgão Oficial

CBC - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões - Journal of the Brazilian College of Surgeons

Artigos do Autor

10 resultado(s) para: TCBC-PE

Técnica modificada para preparo do molde de resina da circulação venosa no fígado cirrótico

Modified technique for preparation of venous circulation resin casts in the cirrhotic liver

José Olímpio Maia de Vasconcelos Filho, TCBC-PE; Laécio Leitão Batista; Guilherme Benjamin Brandão Pitta; Cláudio Moura Lacerda, TCBC-PE

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(5):392-394 : Nota Técnica

Resumo

Este estudo descreve duas importantes adaptações para o preparo de moldes de resina em fígado humano cirrótico, captado no momento do transplante: a primeira, é a maneira de fixação dos cateteres nos "óstios" das veias hepáticas e porta, através de uma "cerclagem" dos mesmos, de modo a evitar o deslocamento do cateter e/ou extravasamento da resina durante sua injeção, e a segunda, é o prolongamento do tempo de corrosão na solução de NaOH, atingindo a média de 6,8 dias, com a substituição diária da solução, até a remoção completa do tecido parenquimatoso. O método foi empregado em 14 fígados cirróticos com bom preenchimento e coloração dos territórios das veias porta e hepáticas, utilizando cores distintas. Isto permite um estudo anatômico desses vasos, capaz de complementar os conhecimentos da histopatologia em trabalhos de pesquisa, e planejar procedimentos terapêuticos como a derivação porto-sistêmica intra-hepática transjugular (TIPS – Transjugular Intrahepatic Postosystemic Shunt).


Palavras-chave: Circulação Hepática. Fibrose. Molde Por Corrosão. Cirrose Hepática.

Explorando parâmetros de fluxo em procedimentos de HIPEC

Exploring flow rate selection in HIPEC procedures

Thales Paulo Batista, TCBC-PE; Levon Badiglian Filho; Cristiano Souza Leão

Rev. Col. Bras. Cir. 2016;43(6):476-479 : Nota Técnica

Resumo

Cirurgia citorredutora avançada e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica (i.e.: HIPEC, sigla em inglês) têm se consagrado como promissora abordagem terapêutica multidisciplinar para neoplasias malignas peritoneais. Contudo, dados da literatura corrente são muito heterogêneos em torno de muitos de seus aspectos técnicos, o que demanda algum esforço na busca por padronizações do procedimento. Neste sentido, são apresentados dados de um ensaio clínico pioneiro no Brasil (ClinicalTrials.gov Identifier: NCT02249013), relacionando parâmetros dinâmicos de taxas de fluxo e temperaturas de perfusão nos primeiros casos do estudo, o que pode ajudar na seleção de melhores parâmetros técnicos para procedimentos de HIPEC.


Palavras-chave: Injeções Intraperitoneais. Hipertermia Induzida. Quimioterapia. Neoplasias Peritoneais.

Proposta de padronização da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica para procedimentos de citorredução cirúrgica e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica no Brasil: pseudomixoma peritoneal, tumores do apêndice cecal e mesotelioma peritoneal maligno

A proposal of Brazilian Society of Surgical Oncology for standardizing cytoreductive surgery plus hypertermic intraperitoneal chemotherapy procedures in Brazil: pseudomixoma peritonei, appendiceal tumors and malignant peritoneal mesothelioma

Thales Paulo Batista, TCBC-PE; Bruno José Queiroz Sarmento; Janina Ferreira Loureiro; Andrea Petruzziello; Ademar Lopes, ECBC-SP; Cassio Cortez Santos; Cláudio de Almeida Quadros, TCBC-BA; Eduardo Hiroshi Akaishi, TCBC-SP; Eduardo Zanella Cordeiro; Felipe José Fernández Coimbra, TCBC-SP; Gustavo Andreazza Laporte; Leonaldson Santos Castro, TCBC-RJ; Ranyell Matheus Spencer Sobreira Batista; Samuel Aguiar Júnior, TCBC-SP; Wilson Luiz Costa Júnior; Fábio Oliveira Ferreira, TCBC-SP; Comitê de Neoplasias Peritoneais e Quimioterapia Intraperitoneal Hipertérmica da Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica

Rev. Col. Bras. Cir. 2017;44(5):530-544 : Artigo de Revisão

Resumo

A cirurgia citorredutora com quimioterapia intraperitoneal hipertérmica emergiu como um importante tratamento das neoplasias peritoneais e é, atualmente, o padrão de atendimento para neoplasias epiteliais do apêndice associadas à síndrome de pseudomixoma peritoneal, bem como para o mesotelioma peritoneal maligno difuso. No mundo, existem algumas variações reconhecidas das técnicas de cirurgia citorredutora e quimioterapia intraperitoneal hipertérmica, entretanto nenhuma técnica até agora demonstrou sua superioridade sobre o outra. Portanto, a padronização destes procedimentos poderia melhorar a prática clínica e permitir a comparação adequada entre os resultados. Neste cenário, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica considera importante a apresentação de uma proposta de padronização de procedimentos de cirurgia citorredutora com quimioterapia intraperitoneal hipertérmica no Brasil, com um foco especial na produção de dados homogêneos para o desenvolvimento do registro brasileiro das neoplasias peritoneais.


Palavras-chave: Injeções Intraperitoneais. Hipertermia Induzida. Quimioterapia. Neoplasias Peritoneais.

Fatores preditivos da perda de seguimento de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica

Predictors of poor follow-up after bariatric surgery

Giselle de Queiroz Menezes Batista Belo; Luciana Teixeira de Siqueira; Djalma A. Agripino Melo Filho; Flávio Kreimer, TCBC-PE; Vânia Pinheiro Ramos; Álvaro Antônio Bandeira Ferraz, TCBC-PE

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(2):1-8 : Artigo Original

Resumo

OBJETIVO: identificar os fatores preditivos da perda de seguimento de pacientes submetidos à derivação gástrica em Y de Roux e gastrectomia vertical num período de 48 meses.
MÉTODOS: estudo de coorte, retrospectivo, no período de janeiro de 2010 a dezembro de 2012. Treze variáveis foram analisadas e comparadas à perda de seguimento.
RESULTADOS: entre os 559 pacientes estudados, verificou-se grande redução na frequência (43,8%) às consultas a partir do segundo ano de pós-operatório com uma perda significativa no quarto ano (70,8%). Na análise univariada, apenas a variável "excesso de peso" esteve associada à perda de seguimento. A proporção de excesso de peso (>49,95kg) foi maior no grupo de seguimento com maior perda (>3) (p=0,025). Na regressão logística, os pacientes expostos a um maior excesso de peso (>49,95kg) apresentavam um risco duas vezes maior para perda de seguimento (>3 perdas) (OR=2,04; 1,15-3,62; p=0,015). Na análise univariada, no 48º mês do seguimento pós-operatório, apenas a variável mesorregião de procedência esteve associada à perda de seguimento (p=0,012).
CONCLUSÃO: houve uma perda de seguimento progressiva a partir do segundo ano pós-operatório. Entre os fatores analisados, apenas a variável "excesso de peso" maior do que 49,95kg no pré-operatório esteve associada à perda de seguimento médico-cirúrgico. No 48º mês do período pós-operatório houve uma maior prevalência de perda de seguimento médico-cirúrgico para os pacientes fora do perímetro da cidade do Recife (51%, p=0,052).


Palavras-chave: Obesidade. Cirurgia Bariátrica. Derivação Gástrica. Perda de Seguimento.

Percepção da imagem corporal em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica

Perception of body image by patients undergoing bariatric surgery

Rosana Maria Resende Lacerda; Christiane Ramos Castanha; Alessandra Ramos Castanha; Josemberg Marins Campos, TCBC-PE; Álvaro Antônio Bandeira Ferraz, TCBC-PE; Lucio Vilar

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(2):1-8 : Artigo Original

Resumo

OBJETIVO: investigar as mudanças sofridas na percepção da imagem corporal em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica, avaliando a acurácia/inacurácia na estimativa do tamanho corporal e a satisfação/insatisfação com os corpos após a cirurgia.
MÉTODOS: pesquisa foi realizada no ambulatório de Cirurgia Geral do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco. Participaram 36 pacientes com idade a partir de 18 anos submetidos à cirurgia bariátrica. Foram realizados estudos transversal e quantitativo com a utilização da Escala de Figuras de Silhuetas.
RESULTADOS: na análise descritiva do escore de distorção e insatisfação dos pacientes com a imagem corporal, percebeu-se que a média da distorção foi positiva (média= 6,43kg/m2), indicando que a maioria das pessoas se vê maior do que realmente é. Em contrapartida, na insatisfação foi encontrada uma média negativa (média= -6,91kg/m2), indicando que a maioria dos pacientes avaliados tem como "meta" um IMC menor do que aquele apontado como atual (ou seja, gostaria de ter uma silhueta menor). Quanto à satisfação com o tamanho da silhueta, apenas 11,8% das mulheres gostaram do resultado pós-cirúrgico, enquanto que entre os homens houve 50% de satisfação.
CONCLUSÃO: embora a cirurgia bariátrica tenha diminuído significativamente o IMC, os pacientes apresentaram, em sua maioria, insatisfação com o peso corporal, percebendo-o maior do que realmente era, caracterizandose, assim, uma inacurácia perceptiva.


Palavras-chave: Percepção. Imagem Corporal. Satisfação do Paciente. Índice de Massa Corporal. Cirurgia Bariátrica.

Avaliação do adesivo de nicotina no controle da dor em pacientes submetidos à colecistectomia videolaparoscópica

Evaluation of nicotine patch in pain control of patients undergoing laparoscopic cholecystectomy

Euclides Dias Martins Filho, TCBC-PE; César Freire de Melo Vasconcelos; Fernando de Santa Cruz Oliveira; Adriano da Fonseca Pereira; Álvaro Antônio Bandeira Ferraz, TCBC-PE

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(3):1-12 : Artigo Original

Resumo

OBJETIVO: analisar os efeitos do adesivo de nicotina sobre o controle da dor, ocorrência de náuseas e suas repercussões hemodinâmicas em cirurgias de colecistectomia videolaparoscópica.
MÉTODOS: estudo analítico, do tipo ensaio clínico, prospectivo, randomizado e triplo-cego realizado entre janeiro e julho de 2017. A amostra foi composta de 17 pacientes em pós-operatório de colecistectomia videolaparoscópica para tratamento de colelitíase. Nove pacientes fizeram uso do adesivo com nicotina e oito de adesivo placebo. As variáveis estudadas foram: dor, náusea, satisfação do paciente, pressão arterial, frequência cardíaca, oximetria e resgate de morfina.
RESULTADOS: levando em consideração os parâmetros dor e náuseas, não houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos (p>0,05). Ainda, a avaliação da medicação de resgate, tanto opioide como procinéticos, também não evidenciou diferença estatística relevante entre os grupos. Dentre os parâmetros hemodinâmicos, só houve diferença estatística nas análises da saturação de oxigênio e da pressão arterial sistólica (PAS) seis horas após a cirurgia: a média da saturação de oxigênio foi maior no grupo Teste (97,89 x 95,88) e a média da PAS foi maior no grupo Controle (123,89 x 110,0).
CONCLUSÃO: apesar dos níveis de dor terem sido menores para nicotina no intervalo de 24 horas, a ação da nicotina e a necessidade de opioide de resgate no controle da dor não foram estatisticamente significantes entre os grupos e intervalos de tempo estudados. Não houve repercussão clínica nos parâmetros hemodinâmicos.


Palavras-chave: Nicotina. Dor. Colecistectomia Laparoscópica. Náusea.

Avaliação da qualidade de vida, perda de peso e comorbidades de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica

Evaluation of quality of life, weight loss and comorbidities of patients undergoing bariatric surgery

Christiane Ramos Castanha; Álvaro Antônio Bandeira Ferraz, TCBC-PE; Alessandra Ramos Castanha; Giselle de Queiroz Menezes Batista Belo; Rosana Maria Resende Lacerda; Lúcio Vilar

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(3):1-9 : Artigo Original

Resumo

OBJETIVO: mensurar a eficácia da perda de peso, analisar a evolução de comorbidades, investigar a qualidade de vida e avaliar o protocolo BAROS (Bariatric Analysis and Reporting Outcome System) no pós-operatório de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica.
MÉTODOS: estudo transversal e quantitativo, com força de verdade de 95% (P=0,05), de 103 pacientes submetidos à Gastrectomia Vertical SLEEVE (40) e à Derivação Gástrica em Y de Roux (63), a partir de quatro meses de pós-operatório. A pesquisa foi realizada no Ambulatório de Cirurgia Geral do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, tendo sido utilizado o protocolo BAROS.
RESULTADOS: a maioria dos pacientes era do sexo feminino (89,3%). A média de idade foi de 44,23 anos. A média de perda percentual do excesso de peso foi de 69,35%. A média de tempo de seguimento pós-cirúrgico foi de 41,87 meses (±37,35). As comorbidades com maior percentagem de resolução foram: apneia do sono (90,2%), diabetes (80,7%) e hipertensão (70,8%). As complicações mais frequentes foram queda de cabelo (79,6%), deficiência nutricional (37,9%) e anemia (35%). O protocolo BAROS demonstrou que a qualidade de vida foi avaliada de forma positiva em 93,2% dos casos. O questionário Moorehead-Ardelt demonstrou que a qualidade de vida "melhorou" ou "melhorou muito" para 94,1% dos pacientes.
CONCLUSÃO: a cirurgia bariátrica demonstrou ser um procedimento eficaz no tratamento da obesidade mórbida e no controle das comorbidades. A análise da qualidade de vida foi avaliada de forma positiva através do protocolo BAROS.


Palavras-chave: Cirurgia Bariátrica. Comorbidade. Obesidade. Perda de Peso. Qualidade de Vida.

Cirurgia bariátrica robótico-assistida: análise de série de casos e comparação com via laparoscópica

Robotic-assisted bariatric surgery: case series analysis and comparison with the laparoscopic approach

Alexandre Amado Elias, TCBC-SP; Marcelo Roque-de-Oliveira; Josemberg Marins Campos, TCBC-PE; Walter Takeiti Sasake; Álvaro Antônio Bandeira, TCBC-PE; Lyz Bezerra Silva; Brenda Ferreira; Renato Massaru Ito; Henrique Yoshio Shirozaki; Fernanda Antico Benetti; Laércio da Silva Paiva; Arthur Belarmino Garrido Júnior, TCBC-SP

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(3):1-9 : Artigo Original

Resumo

OBJETIVO: relatar uma série de casos de cirurgia bariátrica robótica no tratamento da obesidade no Brasil.
MÉTODOS: foram avaliados pacientes submetidos à cirurgia bariátrica robótica no Instituto Garrido, e realizada comparação com grupo submetido à cirurgia laparoscópica convencional.
RESULTADOS: foram analisados 45 pacientes, com média de idade de 39,44 anos, sendo 34 do sexo feminino, com média de IMC inicial de 41,26Kg/m2. Dentre as cirurgias realizadas, 91,11% foram bypass gástrico em Y de Roux, enquanto 8,89% foram do tipo gastrectomia vertical. A média de tempo total de cirurgia foi de 158 (±56,54) minutos, com tempo médio de docking de 7,93 (±3,9) minutos e tempo de console 113,0 (±41,4) minutos. A média de dor apresentada na recuperação pós-anestésica foi de 2,61 (±3,30) pontos, em escala de 0 a 10, com quatro pacientes apresentando sinais leves de náusea, respondendo bem ao tratamento medicamentoso. Somente um paciente necessitou internação em UTI por um período de dois dias após a cirurgia, devido à cardiopatia prévia. Em dois casos ocorreram hérnia incisional em sítio de trocater, tratados cirurgicamente, sem posteriores complicações. Na comparação entre os grupos de cirurgia robótica versus laparoscópica, foram selecionados 45 pacientes para cada grupo. O tempo operatório foi significativamente mais longo na via robótica, sendo a maior parte das outras variáveis equivalentes, inclusive controle pós-operatório de comorbidades.
CONCLUSÃO: a cirurgia bariátrica robótica é um procedimento seguro, com resultados comparáveis à cirurgia laparoscópica.


Palavras-chave: Obesidade. Gastroplastia. Robótica. Cirurgia Bariátrica.

Estudo experimental de reconstrução da veia femoral com enxerto tubular do bipolímero de cana-de-açúcar

Experimental study of femoral vein reconstruction with sugarcane biopolymer tubular graft

Daniella Maria Souza Silva; Esdras Marques Lins, TCBC-PE; Sílvio Romero Barros Marques, TCBC-PE; Amanda Vasconcelos Albuquerque; José Lamartine Andrade Aguiar, TCBC-PE

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-8 : Artigo Original

Resumo

OBJETIVO: avaliar, através de dopplerfluxometria, de venografia, de histologia e de evolução clínica, o uso de enxertos tubulares de biopolímero de cana-de-açúcar (BP) na reconstrução de veias femorais em cães.
MÉTODOS: oito cães adultos foram submetidos à reconstrução de veia femoral, à esquerda com enxerto tubular de BP e à direita com veia autóloga. No período pós-operatório, os animais foram submetidos à avaliação clínica e dopplerfluxometria das veias femorais. Após 360 dias, os cães foram reoperados e submetidos à flebografia das veias femorais com contraste iodado. Os segmentos das veias femorais contendo os enxertos foram retirados e enviados para avaliação histopatológica.
RESULTADOS: os cães não apresentaram hemorragia, hematoma, infecção da ferida operatória ou edema dos membros operados. Um animal apresentou dilatação venosa superficial na região inguinal esquerda. A flebografia realizada 360 dias após a primeira cirurgia demonstrou que três (37,5%) enxertos de BP e sete (87,5%) do grupo controle (C) estavam pérvios. Na avaliação histopatológica foi encontrada uma reação inflamatória com neutrófilos e linfócitos na superfície externa de ambos os grupos. Na camada íntima de revestimento dos enxertos e na camada externa nos dois grupos, foi encontrada fibrose.
CONCLUSÃO: com base nos resultados obtidos com o modelo experimental utilizado, conclui-se que a BP apresenta potencial para ser utilizado como enxerto tubular para revascularização venosa, porém novas pesquisas precisam ser realizadas para confirmar a sua eficácia na revascularização de veias de médio e grande calibre, o que poderia permitir o seu uso na prática clínica.


Palavras-chave: Enxerto Vascular. Veia Femoral. Saccharum. Bioprótese. Procedimentos Cirúrgicos Vasculares. Cães.

Repercussões em longo prazo da derivação gástrica em Y de Roux em população de baixa renda: avaliação após dez anos de cirurgia

Long-term repercussions of Roux-en-Y gastric bypass in a low-income population: assessment ten years after surgery

Francisco Felippe de Araújo Rolim; Fernando Santa Cruz; Josemberg Marins Campos, TCBC-PE; Álvaro Antônio Bandeira Ferraz, TCBC-PE

Rev. Col. Bras. Cir. 2018;45(4):1-9 : Artigo Original

Resumo

OBJETIVO: avaliar a evolução ponderal, nutricional e a qualidade de vida de pacientes de baixa renda, após dez anos de derivação gástrica em Y de Roux (DGYR).
MÉTODOS: estudo longitudinal, retrospectivo e descritivo, que avaliou a perda do excesso de peso, o reganho de peso, a evolução da hipertensão arterial, do diabetes mellitus tipo 2, da anemia e da hipoalbuminemia em 42 pacientes de classes sociais D e E submetidos à DGYR. A qualidade de vida foi avaliada através do Bariatric Analysis and Reporting Outcome System(BAROS).
RESULTADOS: dos 42 pacientes, 68,3% se definiram como não praticantes de atividade física regular, e somente 44,4% e 11,9% tinham acompanhamento médico e nutricional regulares, respectivamente. Foi encontrada média da perda do excesso de peso de 75,6%±12 (IC=71,9-79,4) e perda ponderal insuficiente apenas em um paciente. O reganho ponderal médio foi de 22,3%±16,2 (IC=17,2-27,3), com 64,04% da amostra apresentando reganho maior do que 15% do peso mínimo. 52,3% da amostra apresentou anemia após dez anos de cirurgia e 47,6% deficiência de ferro. Hipoalbuminemia foi encontrada em 16,6% da amostra. Houve remissão da HAS em 66% e do diabetes mellitus tipo 2 em 50%. O BAROS demonstrou melhora na qualidade de vida em 85,8% dos pacientes.
CONCLUSÃO: pudemos observar, em uma população com diversas limitações socioeconômicas, que a DGYR manteve resultados satisfatórios quanto à perda peso, mas o seguimento ineficiente pode comprometer o resultado final, especialmente no que diz respeito às deficiências nutricionais.


Palavras-chave: Obesidade. Cirurgia Bariátrica. Derivação Gástrica. Qualidade de Vida.

Copyright 2018 - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões