Orgão Oficial

CBC - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões - Journal of the Brazilian College of Surgeons

Número: 43.3 - 13 Artigos

Voltar ao Sumário

Artigo de Revisão

Drenagem biliar ecoguiada: uma nova era da cirurgia endoscópica

Ultrasound-guided biliary drainage: a new era of endoscopic surgery

Joel Fernandez de Oliveira1; Diogo Turiani Hourneaux de Moura1; Eduardo Turiani Hourneaux de Moura1; Hugo Gonçalo Guedes2; José Pinhata Otoch2; Everson Luiz de Almeida Artifon1

1 - Serviço de Endoscopia Gastrointestinal do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil
2 - Departamento de Cirurgia Geral do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil

Endereço para correspondência

Joel Fernandez de Oliveira
E-mail: jfoliveira1@gmail.com; joeloliveira1@uol.com.br

Recebido em 23/02/2016
Aceito em 01/06/2016

Fonte de financiamento: nenhuma.

Conflito de interesse: nenhum.

Resumo

Apesar da taxa de sucesso da colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPRE), em cerca de 10% dos casos há falha no acesso à via biliar. Nesse contexto o ultrassom endoscópico (UE), que inicialmente só era utilizado para o diagnóstico e estadiamento de doenças, hoje, tem importância terapêutica. O objetivo dessa atualização é demonstrar as diversas formas de drenagem biliar ecoguiada, bem como, compará-la com a drenagem transparieto-hepática (DTPH).

Palavras-chave: Endoscopia Gastrointestinal. Ductos Biliares. Ultrassonografia de Intervenção. Icterícia Obstrutiva. Endossonografia.

INTRODUÇÃO

A importante evolução tecnológica levou o ultrassom endoscópico (UE), que antes era apenas uma modalidade diagnóstica a um patamar terapêutico1, sendo, hoje, uma técnica bem estabelecida para se obter amostras de tecido, injeção com agulha fina e drenagem de coleções e abcessos adjacentes ao trato gastrointestinal (TGI). A adoção disseminada da cirurgia minimamente invasiva e de procedimentos radiológicos conduziu naturalmente para o aumento do uso do UE no tratamento e/ou paliação de doenças gastrointestinais, incluindo a drenagem biliar ecoguiada (DBEG).

Em pacientes com TGI preservado, a cateterização seletiva da via biliar por colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPRE) é realizada com sucesso em mais de 90% dos casos. Quando o acesso ao ducto biliar não é possível a drenagem biliar transparieto-hepático (DTPH) e, ou mesmo, a drenagem cirúrgica, tem sido utilizadas como alternativas2-5, porém, o longo tempo de recuperação, atrasos no início da quimioterapia e o desconforto percutâneo da DTPH prejudicam o uso dessas terapias. Nesse contexto, a DBEG é um método alternativo menos invasivo nos casos de insucesso da CPRE6.

Wiersema et al. foram os primeiros a publicar sobre o acesso biliar ecoguiado, em 1996, tendo relatado sete paciente submetidos com sucesso à colangiografia ecoguiada após falha na CPRE7. No entanto, a drenagem biliar ecoguiada não foi realizada nesta série. Em 2001, Giovannini et al.8 publicou o primeiro caso de sucesso da criação de uma fístula guiada por UE entre o bulbo duodenal e o colédoco, utilizando uma prótese plástica, em um paciente com obstrução biliar maligna, causada por um tumor irressecável de cabeça de pâncreas. Este foi o primeiro relato de uma coledocoduodenostomia ecoguiada. Mallery et al.9, em 2004, introduziu um novo conceito relevante, a técnica de drenagem biliar ecoguiada por rendezvous, em que um fio-guia é introduzido pela agulha após a punção da via biliar. Esse fio é avançado para o duodeno e depois recuperado por via endoscópica com um duodenoscópio, realizando em seguida uma CPRE. Vários estudos têm sido publicados desde então, sobre as diversas técnicas e resultados da DBEG.10-21

A DBEG pode ser realizada por três métodos. A técnica de rendezvous, onde um fio-guia é introduzido através da papila no ducto biliar intra-hepático ou extra-hepático e recuperado por um duodenoscópio para posterior intervenção biliar. Outra opção é o implante de um stent transluminal direto utilizando uma abordagem transgástrica ou transduodenal (sem acessar a papila)22,23. A terceira abordagem, menos realizada, é a passagem anterógrada de um stent biliar transpapilar (ou transanastomótico)24,25.

Rendezvouz

Um UE setorial é utilizado para conseguir acesso biliar inicial em um segmento dilatado, proximal ao local da obstrução. A ponta do UE estará posicionada no fundo gástrico ou bulbo duodenal ao acessar a via biliar intra-hepática ou extra-hepática, respectivamente. A punção aspirativa por agulha fina (PAAF) com agulha de calibre 19 ou 22 gauge é usada para acessar o ducto biliar, confirmando com injeção de contraste através da fluoroscopia. O fio-guia é então avançado para dentro da via biliar, o UE e a agulha são angulados para facilitar a passagem anterógrada do fio-guia, através do local da obstrução e posteriormente à papila. O UE é retirado, deixando o fio-guia. Um duodenoscópio é passado para a papila e com uma alça ou pinça de biópsia, o fio-guia é apreendido e retirado através do aparelho com subsequente passagem do stent. Para realização dessa técnica é essencial que a anatomia duodenal esteja preservada, o que, muitas vezes, torna-se a limitação principal dessa técnica26.

Drenagem transluminal direta

Nesta técnica todo procedimento é realizado utilizando o UE. Depois da via biliar ser acessada como descrito acima, o local da punção é dilatado com um cateter de dilatação ou com um balão dilatador e através de alguns dispositivos é realizada a passagem do stent. Estes dispositivos são selecionados com base na anatomia e características da obstrução do paciente. A inserção de stent é então realizada por via anterógrada27,28. Esta técnica é optada nos casos em que o fio não pode ser posicionado através a papila ou devido a qualquer alteração na anatomia (obstrução biliar por um tumor) ou complicação técnica (posição difícil)26.

Quanto aos stents, há uma tendência para usar um stent metálico autoexpansível totalmente recoberto (SEMS), ao invés de um stent plástico (SP). A utilização dos SEMS pode potencialmente prolongar o período de permeabilidade do stent em comparação com um SP. Além disso, a expansão radial de um SEMS pode, hipoteticamente, minimizar a possibilidade de complicações, como peritonite biliar ou pneumoperitônio, porque a fístula é imediatamente selado pelo próprio SEMS. Entretanto, a migração do stent é uma complicação grave que pode ainda ocorrer mesmo com a utilização de um SEMS, especialmente logo após o procedimento29.

Coledocoduodenostomia (CDS)

A técnica CDS envolve a criação de uma fistula entre o duodeno e a via biliar extra-hepática, portanto, requer como abordagem uma punção extra-hepática. A via biliar extra-hepática pode ser facilmente vista e puncionada a partir do bulbo duodenal, mesmo quando apenas minimamente dilatada. Este procedimento também pode ser realizado em pacientes com ascite devido à posição retroperitoneal do duodeno30. A CDS não pode ser utilizada em casos de estenose biliar proximal. Outro aspecto técnico é a impossibilidade de proceder a CDS em pacientes com anatomia do trato gastrointestinal superior alterada.

O processo começa pela colocação do UE no bulbo duodenal na posição de alça longa e da localização da via biliar extra-hepática. O UE no bulbo normalmente mantem-se em uma posição relativamente estável. A via biliar é então acessada e uma colangiografia realizada, seguida da dilatação e passagem do stent. O ângulo de punção é um aspecto muito importante do processo e deve ser observado com cuidado. O ângulo de punção deve visar o fio para avançar em direção à confluência hepática. Isto deve ser guiado por radiografia, tendo em vista que o ducto biliar se apresenta quase que paralelamente à coluna vertebral. No que diz respeito à dilatação da via biliar, deve ser calibrada para a passagem do sistema de dilatação. Isto pode ser conseguido usando um needle knife, cistótomo ou dilatador (Figuras 1, 2 e 3).

 


Figura 1. Infiltração tumoral em duodeno.

 

 


Figura 2. Punção com agulha em via biliar dilatada.

 

 


Figura 3. Aspecto colangiográfico após passagem de stent biliar e duodenal.

 

Hepatogastrostomia (HGS)

O sistema biliar intra-hepático pode ser alcançado tanto transesofágico, transgástrico ou transjejunal (em anatomia alterada), sendo o segmento hepático III o mais frequentemente acessado devido a sua melhor visualização, especialmente quando o stent deverá ser locado cárdia ou na pequena curvatura26,31,32.

A técnica comumente começa com a observação ultrassonográfica de um ducto hepático esquerdo dilatado. O UE fica posicionado junto à cárdia. Em pacientes com grandes hérnias hiatais, a punção deve ser realizada em segmento gástrico mais distal. A punção biliar, dilatação e colocação de stent são então realizadas de forma semelhante ao CDS. Um conceito importante durante HGS é deixar cerca de 3cm de stent no lúmen gástrico afim de compensar o afastamento do estômago com relação ao fígado durante a respiração.

A técnica HGS é útil em pacientes com estenose biliar proximal e em pacientes com gastrectomia distal. Em tais casos, não existe um janela ultrassonográfica para acessar a via biliar extra-hepática, devido à ausência do antro11 (Figuras 4, 5 e 6).

 


Figura 4. Punção com agulha em via biliar.

 

 


Figura 5. Aspecto colangiográfico da liberação do stent.

 

 


Figura 6. Aspecto endoscópico final.

 

Drenagem por via anterógrada

Nos casos em que o acesso fio transpapilar é obtida através do UE, mas o rendezvouz não, devido a uma obstrução luminar, então a colocação de um stent biliar anterógrado através do ponto de obstrução é uma conduta viável31.

Esta técnica envolve as seguintes etapas. O segmento biliar dilatado é acessado com uma agulha FNA seguido de uma colangiografia. Um fio-guia hidrofílico é introduzido através da agulha a fim de ultrapassar a estenose. A agulha é então removida, e a área estenosada é dilatada para 7Fr ou 8,5Fr usando um cateter de CPRE (exemplo:  Soehendra biliar Dilation Cateter, Wilson-Cook Medical, Winston-Salem, Carolina do Norte). Com a ponta do cateter de dilatação no interior do ducto biliar, o fio guia hidrofílico é então trocado por um fio-guia mais duro (por exemplo, de 0,035 polegadas Jagwire, Boston Scientific, Natick, MA). Colocação do stent por via anterógrada é realizada avançando o stent através do canal terapêutico do UE sobre o fio guia, o stent é então liberado na altura da estenose de modo transpapilar ou trans anastomótico33,34.

Resultados da drenagem biliar ecoguiada

Apesar da crescente experiência internacional e aumento do número de publicações nos últimos anos, a preocupação ainda permanece sobre a segurança e eficácia dessas técnicas em comparação com as técnicas padrão. A maioria dos dados apesar de envolver séries pequenas de centros especializados sugere que DBEG pode ser realizada com grande sucesso terapêutico (87%), mas está associado a 10-20% de morbidade (a maioria leve a moderada) e raros eventos adversos importantes6. Recentemente, Artifon et al.35 publicaram o primeiro estudo prospectivo, randomizado, comparando DBEG a drenagem biliar percutânea trans-hepática (DBPT) em 25 pacientes (13 CDS-UE e 12 DBPT) com obstrução biliar maligna e falha na CPRE. Os dois grupos eram semelhantes em termos de qualidade de vida, bilirrubina total (16,4 vs. 17,2, P=0,7), fosfatase alcalina (539 vs. 518, P=0,7), e gama-glutamil-transferase (554,3 vs. 743,5, P=0,56). Todos os procedimentos foram tecnicamente e clinicamente bem sucedidos em ambos os grupos. No sétimo dia de acompanhamento, houve uma redução significativa dos níveis de bilirrubina total, em ambos os grupos (CDS-UE, 16,4 a 3,3, P=0,002 e DBPT, 17,2 a 3,8, P=0,01), embora não houvesse diferença entre os dois grupos (CDS-UE para DBPT, 3,3 vs. 3,8, P=0,2). Não houve diferença entre as taxas de complicações nos dois grupos (P=0,44): CDS-UE (13/02, 15,3%) e DBPT (3/12, 25%). O custo foi semelhante entre os dois grupos ($.5673 dólares CDS-UE vs. $.7570 DBPT, P=0,39). Portanto, este estudo randomizado mostrou que UE realizado por via transluminal (coledocoduodenostomia) teve uma taxa de sucesso, taxa de complicação, e custo semelhantes em comparação com DBPT. Embora este pequeno estudo prospectivo, unicentrico ofereça uma esperança de que DBEG possa ser uma alternativa aceitável para DBPT, grandes estudos prospectivos, realizados por especialistas também poderiam fornecer informações valiosas sobre as complicações relacionadas ao procedimento, eficácia e modificações empregadas para melhorar os resultados dos pacientes.

Shah et al. relataram em sua grande experiência com DBEG em pacientes com anatomia alterada cirurgicamente e falha na CPRE21. Um total de 70 pacientes havia tentado colangiografia guiada por UE com uma taxa de sucesso em 68 (97%) pacientes; 66 pacientes tiveram resultados colangiográficos que necessitaram de intervenções. DBEG, utilizando a técnica rendezvouz, foi tentada em 50 pacientes e foi bem sucedido em 37 (74%) com falha em 13. Intervenções transluminais diretas (hepatogastrostomia, coledocoduodenostomia, colocação de stent anterógrado) foram tentadas nos 16 doentes restantes e foram bem sucedidos em 13 (81%). Ocorreu um total de seis complicações, a maioria tratada de forma conservadora. Uma perfuração que necessitou de intervenção cirúrgica ocorreu numa esfincterotomia após um rendezvouz realizado com sucesso.

Recentemente, Park et al, relataram sua experiência em DBEG em uma grande coorte prospectiva, realizada por operador único e experiente, em um centro de grande volume na Korea36. Estes autores relataram anteriormente uma taxa relativamente alta de efeitos adversos de 20%10 para DBEG e, no estudo mais recente, que teve como objetivo avaliar se a técnica modificada de "manipulação de fio-guia reforçada", poderia melhorar a segurança e eficácia de DBEG. A abordagem modificada por Park et al. incluiu: 1) ângulo de otimização de punção do ducto biliar com a agulha UE; 2) uso de fios-guia de menor diâmetro para evitar falhas; 3) introdução de um cateter 4Fr para orientar a direção do fio-guia / através da estenose distal / ampola; e 4) uma preferência para cateterizar a via biliar intra-hepática do segmento II para permitir o avanço do fio no sentido do hilo36. Neste estudo, 45 pacientes com obstrução biliar benigna ou maligna foram submetidos à mesma sessão DBEG após falha na CPRE. O sucesso técnico, definido como stent bem locado ou dilatação do balão juntamente com o fluxo de meio de contraste e/ou através do stent biliar, foi obtida em 41 (91%) pacientes. Sucesso funcional, definida como a diminuição dos índices colestáticos para menos de 75% do valor de pré-tratamento no prazo de um mês do procedimento, foi obtido em 39 (95%) destas pacientes. Um total de cinco (11%) eventos adversos ocorreram em quatro pacientes, esses eventos foram: pancreatite, peritonite biliar focal, pneumoperitônio limitado, a migração intraperitoneal do stent e bilioma. A última complicação ocorreu numa abordagem guiada por UE com colocação de "stent-in-stent". Ao todo, três pacientes apresentaram complicações leves e um paciente teve uma complicação moderada, de acordo com o sistema de classificação Lexicon da ASGE37. Neste estudo o sucesso técnico e as complicações foram semelhantes a outros trabalhos.

Como dito acima, a intenção primária de estudo de Park36 foi avaliar se a "manipulação avançada do fio-guia" pode diminuir em 20% (n=11) a taxa de evento adverso que outros autores relataram em um estudo prévio de 55 pacientes que se submeteram à DBEG15. Para avaliar se os autores cumpriram com êxito seu objetivo, é importante avaliar as potenciais razões de complicações nestes 11 pacientes (classificadas como leve em sete e moderada em quatro). Curiosamente, nove dos 11 pacientes foram submetidos à dilatação da fístula usando um needle knife e seu uso foi independentemente associada com a ocorrência de eventos adversos (OR 12,4, p=0,01). No estudo mais recente, dilatação da fístula com needle knife foi usada em apenas cinco pacientes. Portanto, recomendamos que o uso do needle knife deva ser evitado quando possível.

Gupta et al. realizaram estudo multicêntrico sobre os resultados em longo prazo da DBEG em 246 pacientes38. A abordagem intra-hepática foi utilizada em 60% dos casos. O sucesso da drenagem biliar foi alcançado em 87% dos casos, com uma taxa de sucesso semelhante nas abordagens extra-hepáticas e intra-hepática (84,3% vs. 90,4%, P=0,15). A taxa de sucesso clínico mais elevado foi observada em doenças malignas em comparação com doenças benignas (90,2% vs. 77,3%, P=0,02). Complicações para todas as técnicas incluídas: pneumoperitônio (5%), sangramento (11%), vazamento de bile / peritonite (10%), e colangite (5%), não havendo diferença estatística significativa entre as abordagens intra-hepática e extra-hepáticos e entre as doenças benignas e malignas.

É importante observar que os resultados dos estudos acima discutidos vêm de centros terciários, com grande volume de procedimentos e endoscopistas intervencionistas altamente qualificados. Acreditamos que esses procedimentos devam ser idealmente realizados por um ou mais endoscopistas experientes, treinados em CPRE e UE e realizados em instituições onde a cirurgia e radiologia intervencionista estão disponíveis se surgirem adversidades.

Rendezvouz (REN) vs. Técnica transluminal direta (TL)

A abordagem REN é a preferida pela maioria dos endoscopistas, uma vez que evita a necessidade de uma fístula bilioentérica permanente e a necessidade de dilatar o trajeto da fístula, o que pode levar à complicações, como sangramento, pneumoperitônio e pneumomediastino. No entanto, esta abordagem pode não ser possível se o fio-guia não ultrapassar a ampola devido a uma angulação difícil ou pela presença de uma estenose biliar distal intransponível. Ainda não são bem conhecidos os resultados comparando o REN e a TL em termos de eficácia e eventos adversos. Khashab et al. mostraram resultados da comparação das técnicas de REN e TL em um estudo com 35 pacientes submetidos à DBEG (REN 13, TL 20) para obstrução biliar distal maligna e falha na CPRE27. O sucesso técnico foi alcançado em 33 (94%) pacientes e sucesso clínico, em 32/33 (97%) pacientes. O valor médio da bilirrubina pós-procedimento foi 1.38mg/dl no grupo REN e 1,33mg/dl no grupo TL (p=0,88). Da mesma forma, o tempo de internação não foi diferente entre os dois grupos (p=0,23). Não houve diferença significativa na taxa de eventos adversos entre os grupos da REN e TL (15,4% vs. 10%, p=0,64). Resultados em longo prazo foram comparáveis entre os dois grupos com uma migração do stent no grupo REN em 62 dias, e uma oclusão de stent no grupo TL aos 42 dias pós-DBEG. Os autores concluíram que a DBEG é segura e eficaz quando realizada por operadores experientes. A oclusão do stent não é comum no seguimento em longo prazo. Ambas as técnicas do REN e TL pareciam ser igualmente eficazes e seguras.

Há pelo menos três desvantagens potenciais no REN que merecem discussão. Em primeiro lugar, o REN, até mesmo por especialistas experientes, é bem sucedido em apenas 75% dos casos e requer uma papila acessível, o que não pode ser possível em pacientes com anatomia gastrointestinal superior alterada21. No estudo de Park et al.36 a abordagem por REN (ou stent anterógrado transpapilar) não foi possível em 11 (24%) pacientes e falhou em nove (20%). A segunda dificuldade com a drenagem biliar por REN é o tempo de procedimento prolongado que é devido a vários fatores, incluindo: 1) necessidade de manipulação do fio-guia para conduzi-lo através de estenose distal e para a ampola; 2) troca do UE por um duodenoscópio; e 3) necessidade de canulação biliar retrógrada. Outra potencial desvantagem da técnica REN é risco de pancreatite aguda devido à manipulação da papila12,17,21.

Tendo em vista que a técnica REN falha ou não é possível, ao menos em 25% dos pacientes, e está associada com o tempo de procedimento prolongado e podendo levar ainda à pancreatite e à outras complicações, é essencial que o endoscopista se esforce para aperfeiçoar e minimizar os riscos associados com a técnica TL a fim de proporcionar um arsenal completo para pacientes com estenose ou obstrução biliar maligna e benigna. No entanto, a adoção por alguns endoscopistas, do stent na fístula bilioenterica, tem sido lenta devido ás preocupações com os potenciais riscos associados, especialmente bilioma e pneumoperitônio. No entanto, nossa experiência sugere que a inserção do stent transluminal é seguro quando a drenagem biliar é alcançada com sucesso18,19, é importante salientar o risco de formação fístula biliar se a obstrução não é aliviada. Algumas medidas podem assegurar a colocação bem sucedida e segura do stent transluminal. Em primeiro lugar, o trato transluminal não deve ser dilatado até que tenha sido alcançada uma boa posição de fio-guia para a colocação do stent. Em segundo lugar, o trato deve ser dilatado apenas a um diâmetro para permitir a inserção de stent, evitando a dilatação agressiva, o que pode predispor a formação de uma fístula biliar18. Em terceiro lugar, a dilatação com o uso do cautério deve ser evitada, se possível, devido ao risco potencial de complicações, particularmente sangramento e vazamento de bile. Em quarto lugar, stents metálicos totalmente recobertos e dióxido de carbono para insuflação deverão ser utilizados para minimizar o risco de fístulas biliares e pneumoperitônio, respectivamente.

Um benefício da técnica TL é a possibilidade muitas vezes de uma drenagem distal do tumor evitando as compressões e obstruções causadas39. Concordamos com a afirmação de muitos especialistas de que a técnica REN, preferencialmente, deve ser tentada em primeiro lugar, mas acreditamos que uma abordagem transluminal é uma alternativa aceitável, eficaz e segura, desde que as medidas acima sejam seguidas.

Coledocoduodenostomia (CDS) vs. Hepatogastrostomia (HGS)

Artifon et al., conduziram um estudo randomizado comparando os resultados da CDS e HGS40. Um total de 49 pacientes com obstrução biliar maligna distal irressecável e falha na CPRE foram incluídos. A taxa de sucesso técnico foi 91% para o CDS e 96% para a HGS (p=0,61). Da mesma forma, o sucesso clínico foi semelhante entre os dois grupos (77% vs. 91%, p=0,23). O tempo médio do procedimento (48,4min. vs. 47,8min., p=0,84) e as médias dos escores de qualidade de vida durante o acompanhamento também foram semelhantes. A taxa global de eventos adversos foi 16,3% (12,5% para o grupo de CDS e 20% para o grupo HPS). Os autores concluíram que as técnicas CDS e HGS são semelhantes em termos de eficácia e segurança, e que as duas técnicas são alternativas válidas para a drenagem biliar em pacientes com obstrução biliar distal maligna e falha na CPRE.

Poincloux et al.41, mais recentemente compararam os resultados obtidos em um período de sete anos em que houve falha na CPRE e submetidos à CDS ou HGS realizados por um mesmo endoscopista. Um total de 66 pacientes foram submetidos à HGS com uma eficácia de 94%, e 33 pacientes foram submetidos à CDS obtendo uma eficácia de 90%. Estatísticamente não houve diferença do sucesso entre os dois procedimentos (p=0,69) ou mesmo na taxa de complicações maiores (10,6% para o grupo HGS e 6,7% para o grupo CDS, com P=1).

Vias de acesso Intra-hepática vs. Extra-hepática para DBEG

DBEG usando o REN ou técnica TL exige punção com agulha através de uma via intra-hepática ou extra-hepática em um paciente com anatomia do trato gastrointestinal superior preservada. No entanto, ainda não foi estabelecida a melhor via de acesso para ambas as técnicas. Em casos de DBEG por REN, Dhir et al. descobriram recentemente que um REN extra-hepático (por punção transduodenal) foi associado com tempo significativamente mais curto de procedimento, menos dor pós-procedimento, menor vazamento de bile e pneumoperitônio42. Além disso, eles descobriram que o sucesso é provavelmente maior com REN extra-hepático, como foi confirmado por Park et al. (93% vs. 50%)36. Do mesmo modo, em casos de DBEG por TL, a via extra-hepática (coledocoduodenostomia) é provavelmente mais segura do que uma via intra-hepática (hepatogastrostomia)15. Portanto, parece que a via de acesso extra-hepática durante DBEG é preferível e mais seguro do que um acesso por via intra-hepática realizando tanto a técnica REN ou TL.

Dhir et al. compararam as taxas de sucesso e de complicações em 68 pacientes submetidos à DBEG por diferentes técnicas43. A DBEG foi bem-sucedida em 65 pacientes (95,6%). Não houve diferença significativa nas taxas de sucesso nas diferentes técnicas. Complicações foram observadas em 14 pacientes (20,6%) e mortalidade em três pacientes (4,4%). Complicações foram significativamente maiores para a via intra-hepática em comparação com a via extra-hepática (transduodenal) (30,5% vs. 9,3%, P=0,03). Não houve diferença significativa nas taxas de complicações entre colocações de stents transluminal e transpapilar, ou REN. A análise de regressão logística mostrou que o acesso trans-hepático é o único fator de risco independente para complicações (p=0,03). Os autores concluíram que a DBEG pode ser realizada com altas taxas de sucesso, independentemente da escolha da via de acesso, a direção stent ou via de drenagem. No entanto, as complicações são significativamente maiores com a via de acesso intra-hepático. Eles recomendaram que o acesso extra-hepática (transduodenal) deve ser escolhido para DBEG e colocação de stent pela técnica REN, quando ambas as vias estão disponíveis.

Por que parece que a via intra-hepática leva ao aumento do risco de complicações? Em primeiro lugar, uma via intra-hepática envolve punção com agulha na cavidade peritoneal, correndo risco de pneumoperitônio e vazamento de bile para cavidade peritonial. Em segundo lugar, o movimento do fígado durante a respiração pode levar tanto a migração stent com consequentes biliomas, além de trauma na via biliar (o que aumenta o risco de dor pós-procedimento e vazamento de bile). Outro fator é que o menor calibre dos ductos intra-hepáticos pode não permitir a colocação de stents de diâmetro maior, metálicos de 8-10 mm, o que teoricamente pode predispor ao pneumoperitônio e vazamento de bile devido à selagem incompleta da fístula bilioenterica. Acesso extra-hepático, por outro lado, tem muitas vantagens, incluindo a proximidade do duodeno com a via biliar dilatada, a localização retroperitoneal do ducto biliar, o que beneficia pacientes com ascite31, e uma via biliar relativamente fixa com influência respiratória mínima, uma melhor visualização da via biliar. No entanto ainda são necessários mais estudos prospectivos comparando a segurança dessas diferentes técnicas.

DBEG vs. DTPH

Os dados de vários centros confirmam a eficácia e segurança da DBEG6, no entanto, os dados comparativos com outras técnicas, por exemplo, DTPH, são limitados. Estes dados são essenciais para decidir se os pacientes com falha na CPRE serão mais bem conduzidos com DBEG ou DTPH. Há apenas um pequeno estudo randomizado controlado, comparando DBEG e DTPH em 25 pacientes com obstrução biliar maligna e falha na CPRE35. Este estudo concluiu que ambos os procedimentos têm eficácia, segurança e custo equivalentes. A principal limitação do estudo foi que apenas os custos diretos do procedimento foram avaliados. Isso provavelmente superestimou o custo-efetividade da DTPH que está associado com o aumento dos custos em longo-prazo, devido à necessidade de reintervenções frequentes.

Mais recentemente, Khashab et al.44 compararam retrospectivamente DBEG e DTPH em 73 pacientes (DBEG 22, DTPH 51). Embora o sucesso técnico fosse maior no grupo DTPH (100 vs. 86,4%, p=0,007), o sucesso clínico foi equivalente (92,2 vs. 86,4%, p=0,40). DTPH foi associada com maior taxa de eventos adversos (procedimento índice: 39,2 vs. 18,2%; todos os procedimentos, incluindo reintervenções: 80,4 vs. 15,7%). Permeabilidade do stent e sobrevida foram equivalentes entre os dois grupos. Os custos totais foram mais do que duas vezes maior no grupo DTPH (p=0,004), devido, principalmente, a significativamente maior taxa de reintervenções (80,4 vs. 15,7%, p=0,001). Os autores concluíram que a DBEG e DTPH são comparativamente técnicas eficazes para o tratamento da obstrução biliar distal maligna após falha na CPRE. No entanto, a DBEG está associada com a diminuição da taxa de eventos adversos e é significativamente mais barata, devido à menor necessidade de reintervenções.

O acesso através da DBEG tem diversas vantagens com relação à DTPH10. A proximidade do transdutor junto a via biliar10, possibilidade de demonstração da etiologia da colestase7,10, utilização de doppler para evitar a punção acidental de estruturas vasculares e a possibilidade de acessar os ductos biliares a partir de múltiplas vias. As vias biliares intra-hepáticas dilatadas podem ser acessadas a partir do fígado através do esôfago distal, ou do estômago, ou a via biliar comum pode ser acessada pelo duodeno proximal, e, ocasionalmente, pelo antro gástrico43. Esta escolha das vias de acesso biliar permite o sucesso da drenagem endoscópica, mesmo em pacientes com obstrução duodenal ou submetidos às cirurgias de bypass. Outras vantagens incluem viabilidade da DBEG, mesmo em pacientes com ascite e metástase hepática, além da migração dos cateteres percutâneos, suas complicações associadas (por exemplo, irritação da pele, vazamento), e impacto negativo na qualidade de vida. Além disso, a DBEG pode ser realizada durante a mesma sessão de endoscopia após falha na CPRE, o que evita a necessidade de repetidas intervenções e permite a drenagem biliar oportuna, onde os níveis de bilirrubina diminui mais rapidamente, permitindo um início mais rápido da quimioterapia e radioterapia, se necessárias21,36. A DBEG também é mais fisiológica e anatômica, mantendo a bile no interior do trato gastrointestinal assegurando a apropriada digestão e absorção de nutrientes.

Orientações para DBEG

Recomendamos a obtenção do consentimento livre e esclarecido para possível DBEG juntamente com o termo para realização da CPRE, em pacientes de alto risco para falha na canulação biliar, por exemplo, anatomia alterada, falha em CPRE prévia, câncer periampular com invasão duodenal, stent duodenal ao nível da papila. Esta abordagem exige uma longa conversa com o paciente sobre outras abordagens potenciais se houver falha na canulação, tais como a cirurgia ou drenagem percutânea. Desse modo, obtendo o termo para a DBEG no momento da CPRE evita a necessidade de intervenções endoscópicas repetidas e permite a drenagem biliar oportuna e o início da quimio/radioterapia precoce, se necessário.

Uma consideração final sobre a DBEG é quando realizar o procedimento em um paciente com uma obstrução biliar benigna ou maligna. Dhir et al. propuseram que um único procedimento de DBEG possa ser uma alternativa viável para CPRE em pacientes com obstrução biliar distal maligna45. Ele realizou um estudo multicêntrico, retrospectivo, para comparar os resultados de colocação de stents, para obstrução biliar distal maligna através da CPRE e UE. Os pacientes do grupo da DBEG foram submetidos a uma coledocoduodenostomia (CDS) ou drenagem anterógrada (AG) após uma ou mais tentativas fracassadas CPRE, enquanto os pacientes no grupo CPRE foram submetidos à colocação retrógrada de SEMS. O estudo incluiu 208 pacientes, 104 no braço da CPRE e 104 com DBEG (68 EUS-CDS, 36 EUS-AG). A colocação de SEMS foi bem sucedida em 98 pacientes do grupo de CPER e 97 no grupo DBEG (94,23% vs. 93,26%, P=1,00). A frequência de eventos adversos foi idêntica (8,65% e 8,65%, respectivamente). Taxa de pancreatite pós-procedimento foi maior no grupo CPRE (4,8% vs. 0%, P=0,059). Os autores concluíram que em pacientes com obstrução biliar distal maligna que necessita da colocação de SEMS, os resultados de curto prazo da DBEG e da CPRE são comparáveis.

Hara et al., recentemente conduziram um estudo prospectivo de DBEG para a terapia primária de obstrução biliar maligna, ou seja, sem tentativa de CPRE, em 17 patientes46. Tanto o sucesso técnico como o clínico foram alcançados em 94% dos pacientes e sem complicações graves. Embora essa abordagem possa evitar a pancreatite pós-CPRE, acreditamos que o papel atual da DBEG deve ser para terapia de resgate em pacientes com falha na CPRE.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A DBEG é um procedimento seguro e eficaz após falha na CPRE quando realizada por meio da técnica rendezvouz ou transluminal direta. A via de acesso extra-hepática é preferível para a obstrução maligna distal e está associada com a menor incidência de eventos adversos. A DBEG é menos invasiva do que a drenagem transparieto-hepática e os poucos dados disponíveis sugerem eficácia e segurança equivalentes, no entanto, seu uso é ainda limitado a centros terciários de alta tecnologia. Indicações e métodos para DBEG estão ainda sendo padronizados e, portanto, a abordagem deve ser individualizada para cada paciente, com base na experiência do endoscopista e na anatomia do paciente. Além disso, ensaios clínicos controlados, randomizados e multicêntricos ainda são necessários para a escolha da técnica ideal.

 

REFERÊNCIAS

1. Khashab MA, Varadarajulu S. Endoscopic ultrasonography as a therapeutic modality. Curr Opin Gastroenterol. 2012;28(5):467-76.

2. Voegeli DR, Crummy AB, Weese JL. Percutaneous transhepatic cholangiography, drainage, and biopsy in patients with malignant biliary obstruction. An alternative to surgery. Am J Surg. 1985;150(2):243-7.

3. Ferrucci JT Jr, Mueller PR, Harbin WP. Percutaneous transhepatic biliary drainage: technique, results, and applications. Radiology. 1980;135(1):1-13.

4. Harbin WP, Mueller PR, Ferrucci JT Jr. Transhepatic cholangiography: complicatons and use patterns of the fine-needle technique: a multi-institutional survey. Radiology. 1980;135(1):15-22.

5. Smith AC, Dowsett JF, Russell RC, Hatfield AR, Cotton PB. Randomised trial of endoscopic stenting versus surgical bypass in malignant low bileduct obstruction. Lancet. 1994;344(8938):1655-60.

6. Khashab MA, Dewitt J. EUS-guided biliary drainage: is it ready for prime time? Yes! Gastrointest Endosc. 2013;78(1):102-5.

7. Wiersema MJ, Sandusky D, Carr R, Wiersema LM, Erdel WC, Frederick PK. Endosonography-guided cholangiopancreatography. Gastrointest Endosc. 1996;43(2 Pt 1):102-6.

8. Giovannini M, Moutardier V, Pesenti C, Bories E, Lelong B, Delpero JR. Endoscopic ultrasound-guided bilioduodenal anastomosis: a new technique for biliary drainage. Endoscopy. 2001;33(10):898-900.

9. Mallery S, Matlock J, Freeman ML. EUS-guided rendezvous drainage of obstructed biliary and pancreatic ducts: report of 6 cases. Gastrointest Endosc. 2004;59(1):100-7.

10. Kahaleh M, Hernandez AJ, Tokar J, Adams RB, Shami VM, Yeaton P. Interventional EUS-guided cholangiography: evaluation of a technique in evolution. Gastrointest Endosc. 2006;64(1):52-9.

11. Maranki J, Hernandez AJ, Arslan B, Jaffan AA, Angle JF, Shami VM, et al. Interventional endoscopic ultrasound-guided cholangiography: long-term experience of an emerging alternative to percutaneous transhepatic cholangiography. Endoscopy. 2009;41(6):532-8.

12. Kim YS, Gupta K, Mallery S, Li R, Kinney T, Freeman ML. Endoscopic ultrasound rendezvous for bile duct access using a transduodenal approach: cumulative experience at a single center. A case series. Endoscopy. 2010;42(6):496-502.

13. Fabbri C, Luigiano C, Fuccio L, Polifemo AM, Ferrara F, Ghersi S, et al. EUS-guided biliary drainage with placement of a new partially covered biliary stent for palliation of malignant biliary obstruction: a case series. Endoscopy. 2011;43(5):438-41.

14. Komaki T, Kitano M, Sakamoto H, Kudo M. Endoscopic ultrasonography-guided biliary drainage: evaluation of a choledochoduodenostomy technique. Pancreatology. 2011;11 Suppl 2:47-51.

15. Park do H, Jang JW, Lee SS, Seo DW, Lee SK, Lim MH. EUS-guided biliary drainage with transluminal stenting after failed ERCP: predictors of adverse events and long-term results. Gastrointest Endosc. 2011;74(6):1276-84.

16. Hara K, Yamao K, Niwa Y, Sawaki A, Mizuno N, Hijioka S, et al. Prospective clinical study of EUS-guided choledochoduodenostomy for malignant lower biliary tract obstruction. Am J Gastroenterol. 2011;106(7):1239-45.

17. Iwashita T, Lee JG, Shinoura S, Nakai Y, Park DH, Muthusamy VR, et al. Endoscopic ultrasound-guided rendezvous for biliary access after failed cannulation. Endoscopy. 2012;44(1):60-5.

18. Khashab MA, Fujii LL, Baron TH, Canto MI, Gostout CJ, Petersen BT, et al. EUS-guided biliary drainage for patients with malignant biliary obstruction with an indwelling duodenal stent (with videos). Gastrointest Endosc. 2012;76(1):209-13.

19. Henry WA, Singh VK, Kalloo AN, Khashab MA. Simultaneous EUS-guided transbulbar pancreaticobiliary drainage (with video). Gastrointest Endosc. 2012;76(5):1065-7.

20. Dhir V, Bhandari S, Bapat M, Maydeo A. Comparison of EUS-guided rendezvous and precut papillotomy techniques for biliary access (with videos). Gastrointest Endosc. 2012;;75(2):354-9.

21. Shah JN, Marson F, Weilert F, Bhat YM, Nguyen-Tang T, Shaw RE, et al. Single-operator, single-session EUS-guided anterograde cholangiopancreatography in failed ERCP or inaccessible papilla. Gastrointest Endosc. 2012;75(1):56-64.

22. Itoi T, Yamao K; EUS 2008 Working Group. EUS 2008 Working Group document: evaluation of EUS-guided choledochoduodenostomy (with video). Gastrointest Endosc. 2009;69(2 Suppl):S8-12.

23. Savides TJ, Varadarajulu S, Palazzo L; EUS 2008 Working Group. EUS 2008 Working Group document: evaluation of EUS-guided hepaticogastrostomy. Gastrointest Endosc. 2009;69(2 Suppl):S3-7.

24. Artifon EL, Safatle-Ribeiro AV, Ferreira FC, Poli-de-Figueiredo L, Rasslan S, Carnevale F, et al. EUS-guided antegrade transhepatic placement of a self-expandable metal stent in hepatico-jejunal anastomosis. JOP. 2011;12(6):610-3.

25. Nguyen-Tang T, Binmoeller KF, Sanchez-Yague A, Shah IN. Endoscopic ultrasound (EUS)-guided transhepatic anterograde self-expandable metal stent (SEMS) placement across malignant biliary obstruction. Endoscopy. 2010;42(3):232-6.

26. Kedia P, Gaidhane M, Kahaleh M. Endoscopic guided biliary drainage: how can we achieve efficient biliary drainage? Clin Endosc. 2013;46(5):543-51.

27. Khashab MA, Valeshabad AK, Modayil R, Widmer J, Saxena P, Idrees M, et al. EUS-guided biliary drainage by using a standardized approach for malignant biliary obstruction: rendezvous versus direct transluminal techniques (with videos). Gastrointest Endosc. 2013;78(5):734-41.

28. Khashab MA, Kumbhari V, Kalloo AN, Saxena P. EUS-guided biliary drainage by using a hepatogastrostomy approach. Gastrointest Endosc. 2013;78(5):675.

29. Iwashita T, Doi S, Yasuda I. Endoscopic ultrasound-guided biliary drainage: a review. Clin J Gastroenterol. 2014;7(2):94-102.

30. Artifon EL, Ferreira FC, Otoch JP. Endoscopic ultrasound-guided choledochoduodenostomy for relieving malignant distal biliary obstruction. Rev Gastroenterol Mex. 2012;77(1):31-7.

31. Kahaleh M, Artifon EL, Perez-Miranda M, Gupta K, Itoi T, Binmoeller KF, et al. Endoscopic ultrasonography guided biliary drainage: summary of consortium meeting, May 7th, 2011, Chicago. World J Gastroenterol. 2013;19(9):1372-9.

32. Sarkaria S, Lee HS, Gaidhane M, Kahaleh M. Advances in endoscopic ultrasound-guided biliary drainage: a comprehensive review. Gut Liver. 2013;7(2):129-36.

33. Kumbhari V, Tieu AH, Khashab MA. EUS-guided biliary drainage made safer by a combination of hepaticogastrostomy and antegrade transpapillary stenting. Gastrointest Endosc. 2015;81(4):1015-6.

34. Saxena P, Kumbhari V, El Zein M, Kaloo AN, Khashab MA. EUS-guided biliary drainage with antegrade transpapillary placement of a metal biliary stent. Gastrointest Endosc. 2015;81(4):1010-1.

35. Artifon EL, Aparicio D, Paione JB, Lo SK, Bordini A, Rabello C, et al. Biliary drainage in patients with unresectable, malignant obstruction where ERCP fails: endoscopic ultrasonography-guided choledochoduodenostomy versus percutaneous drainage. J Clin Gastroenterol. 2012;46(9):768-74.

36. Park do H, Jeong SU, Lee BU, Lee SS, Seo DW, Lee SK, et al. Prospective evaluation of a treatment algorithm with enhanced guidewire manipulation protocol for EUS-guided biliary drainage after failed ERCP (with video). Gastrointest Endosc. 2013;78(1):91-101.

37. Cotton PB, Eisen GM, Aabakken L, Baron TH, Hutter MM, Jacobson BC, et al. A lexicon for endoscopic adverse events: report of an ASGE workshop. Gastrointest Endosc. 2010;71(3):446-54.

38. Gupta K, Perez-Miranda M, Kahaleh M, Artifon EL, Itoi T, Freeman ML, et al. Endoscopic ultrasound-assisted bile duct access and drainage: multicenter, long-term analysis of approach, outcomes, and complications of a technique in evolution. J Clin Gastroenterol. 2014;48(1):80-7.

39. Yamao K, Sawaki A, Takahashi K, Imaoka H, Ashida R, Mizuno N. EUS-guided choledochoduodenostomy for palliative biliary drainage in case of papillary obstruction: report of 2 cases. Gastrointest Endosc. 2006;64(4):663-7.

40. Artifon EL, Marson FP, Gaidhane M, Kahaleh M, Otoch JP. Hepaticogastrostomy or choledochoduodenostomy for distal malignant biliary obstruction after failed ERCP: Is there any difference? Gastrointest Endosc. 2015;81(4):950-9.

41. Poincloux L, Rouquette O, Buc E, Privat J, Pezet D, Dapoigny M, et al. Endoscopic ultrasound-guided biliary drainage after failed ERCP: cumulative experience of 101 procedures at a single center. Endoscopy. 2015;47(9):794-801.

42. Dhir V, Bhandari S, Bapat M, Joshi N, Vivekanandarajah S, Maydeo A. Comparison of transhepatic and extrahepatic routes for EUS-guided rendezvous procedure for distal CBD obstruction. United European Gastroenterol J. 2013;1(2):103-8.

43. Dhir V, Artifon EL, Gupta K, Vila JJ, Maselli R, Frazap M, et al. Multicenter study on endoscopic ultrasound-guided expandable biliary metal stent placement: choice of access route, direction of stent insertion, and drainage route. Dig Endosc. 2014;26(3):430-5.

44. Khashab MA, Valeshabad AK, Afghani E, Singh VK, Kumbhari V, Messallam A, et al. A comparative evaluation of EUS-guided biliary drainage and percutaneous drainage in patients with distal malignant biliary obstruction and failed ERCP. Dig Dis Sci. 2015;60(2):557-65.

45. Dhir V, Itoi T, Khashab MA, Park do H, Yuen Bun Teoh A, Attam R, Messallam A, et al. Multicenter comparative evaluation of endoscopic placement of expandable metal stents for malignant distal common bile duct obstruction by ERCP or EUS-guided approach. Gastrointest Endosc. 2015;81(4):913-23.

46. Hara K, Yamao K, Hijioka S, Mizuno N, Imaoka H, Tajika M, et al. Prospective clinical study of endoscopic ultrasound-guided choledochoduodenostomy with direct metallic stent placement using a forward-viewing echoendoscope. Endoscopy. 2013;45(5):392-6.

 

Copyright 2018 - Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões